0
Na Secretaria de Estado de Transportes “o movimento está parado”, como diz o caboclo. Em janeiro, foi criada nova estrutura organizacional do órgão e extintas as antigas diretorias. A medida, que deveria arejar a máquina, conforme proposta do governador Simão Jatene de reestruturação administrativa, ainda não foi implementada até hoje.  Falta inclusive gerenciamento para a fiscalização e acompanhamento dos serviços contratados. Não é à toa que a obra de reconstrução da ponte do Moju virou a maior vidraça para as pedras da oposição. Na audiência pública na Alepa sobre a questão, quem deu os esclarecimentos foi o chefe da Casa Civil, José Megale, embora o titular da Setran, Ismar Pereira, estivesse presente, o que em outros tempos seria impensável, dado o histórico de técnicos experientes da área ocupando o cargo.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Feliz Páscoa!

Anterior

Bochinchos da política

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *