Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Mentalidade equivocada

É totalmente equivocada a postura da Secretária de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social, Eutália Barbosa. Ao analisar o caso da mãe que ofereceu uma filha adolescente para exploração sexual, mostrado em rede nacional de TV, ela disse que considera o fato inaceitável, mas que “o Estado está presente no Marajó para cuidar dessa questão e para enfrentar e combater qualquer outra violação de direito, por isso está construindo alternativas de desenvolvimento para o Marajó, levando estrutura e energia, e garantindo direitos com geração e transferência de renda” E mais: que “repudia a forma como o município de Portel e a região tem sido tratados em reportagens pelas mídias, principalmente a televisão, para mostrar que existem famílias e trabalhadores dignos no Marajó, assim como também ações, projetos e políticas públicas em benefício da infância e da adolescência no Marajó”.
Alguém precisa urgentemente dizer a ela que as denúncias servem justamente para ajudar o combate à exploração, ao abuso e a toda sorte de violência que acontecem, sim, no Marajó, e em todas as regiões do Pará. É claro que a maioria das famílias é digna e trabalhadora. Os desvios acontecem em função da miséria, do abandono, do desespero. Essa situação é secular. O importante não é apontar em que governo começou, e sim, sabermos em qual governo esse quadro medonho vai acabar. Por que não agora? A secretária tem que acabar com essa postura ridícula de acusar a imprensa de todos os males. E ter a sabedoria de utilizar as mídias para propagar ações educativas e preventivas direcionadas às famílias e repressivas contra os criminosos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *