Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Médico acusado de tratamento cruel

Leiam abaixo o relato estarrecedor de Elaine Pereira Hipólito, mãe da adolescente de 16 anos H.P.H, grávida e em trabalho de parto, vítima de tratamento desumano por um médico no Hospital Municipal Frei Eliseu Eismann, em Terra Santa, no oeste do Pará. É preciso que o Conselho Regional de Medicina, o Ministério Público e a Prefeitura local ajam imediatamente a fim de apurar os fatos, com a devida punição aos responsáveis, de modo a evitar a repetição de tamanha situação pavorosa.

“Tudo começou no 24 de abril por volta do meio dia quando minha filha sentiu fortes dores nas cadeiras e em seguida veio uma cola com raios de sangue, em seguida fomos ao hospital Frei Elizeu na cidade de Terra Santa, ela foi atendida pelo médico peruano chamado Dr. Davi, que bateu um ultrassom e foi diagnosticado que a bebê da minha filha tava em óbito, então ela ficou internada pra bater outro ultrassom às 20 horas da noite quando o Dr. Davi nos disse que iria fazer quatro aplicações de Cytotec, a primeira foi 8 horas da manhã, a outra foi 13h e as duas últimas foi 17h. Vinte minutos depois que briguei e falei pra eles que minha filha tava sofrendo muito aí chegou um anjo salvador chamado Dr Ivaldo que foi examiná-la e retirou as cápsulas que estavam dentro pra fazer ela ter o bebê, mas não adiantou porque não veio o bebê. Depois de mais de 24h resolveram fazer uma cesariana às 20h do dia 25 de abril, quando nasceu minha netinha com 605 gramas já em óbito.”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *