Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Marapanim em ebulição

A promotora de Justiça Síntia Quintanilha Bibas Maradei impetrou Mandado de Segurança com pedido de liminar contra ato da desembargadora Nadja Nara Cobra Meda, que determinou a recondução imediata de Maria Edinaide Silva Teixeira como prefeita de Marapanim, na sexta-feira (30), véspera das eleições. A decisão judicial causou instabilidade no município, cujos moradores jogaram gasolina na Prefeitura, na Câmara dos Vereadores e no Fórum, ameaçando atear fogo caso ela não fosse novamente afastada.

O MP alega que o valor objeto da Ação Civil Pública contra a prefeita é de mais de R$5,5 milhões e foram tornados indisponíveis na conta dela apenas 1/10 avos para garantir o cumprimento de futura sentença. Logo, raciona a promotora, o retorno de Maria Edinaide, faltando menos de 3 meses para a posse da nova gestão eleita, poderá aumentar substancialmente os já gravíssimos prejuízos aos cofres públicos e à população local. 
O caso é que, em 11 de agosto, a Justiça determinou o afastamento cautelar de Maria Edinaide Silva Teixeira, por fortes indícios de desvios de recursos públicos. Ela estava no cargo desde setembro de 2015, quando, na condição de vice-prefeita, assumiu a vaga em razão do afastamento da então prefeita, que também teve o mandato cassado por improbidade.  Pobre Marapanim!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *