0
Em ação conjunta do Ibama em Santarém e da Polícia Federal, com o apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, a madeireira DDID Agro florestal foi lacrada, na sexta-feira (24), e será multada em R$ 57 mil. A partir de informações de que madeira extraída ilegalmente era escoada através da rodovia Curuá-Una, durante a noite, o serviço de inteligência foi acionado. Depois de mapeada a região, os fiscais e policiais observaram a movimentação e desde as 16 horas ficaram de campana, até às 21h e 24min, quando o caminhão – escoltado por dois motoqueiros – passou, foi interceptado e apreendido. Os infratores levaram os agentes ao local onde faziam a extração, a 4 Km da madeireira, onde havia outro caminhão, já abandonado. A extração era feita em pequena escala, que logo era transportada, de modo a passar despercebido pela fiscalização do Ibama, tornando o processo mais seguro.
Foi instaurado processo criminal, além de lavrados dois autos de infração ambiental, por falta de Licença de Operação e estoque de madeira sem cobertura de documento comprobatório de saldo no Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais – Sisflora, do Pará. Havia madeira serrada e em toras de diversas essências, como maçaranduba, ipê, tauari e fava. A madeireira tem 20 dias para recurso, após a ciência da autuação. O caminhoneiro, além de responder criminalmente, foi enquadrado administrativamente no Ibama, por transporte sem Guia Florestal, o que gera multa de R$3.722,40 reais. A Sema fará a identificação e quantificação de toda a madeira apreendida.
O Ibama em Santarém solicita que os cidadãos utilizem a Linha Verde para denunciar quaisquer irregularidades de que tenham conhecimento, através do número 0800 61 8080. A ligação é gratuita e é assegurado absoluto sigilo ao denunciante.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Evandro Bonna se foi

Anterior

Novo livro de Lúcio Flávio Pinto

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *