O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

Livro revela curiosidades históricas

Hoje às 18h30, no Palácio Lauro Sodré, Museu do Estado do Pará, antigo Palácio do Governo, a Assembleia Legislativa lança o livro “O Parlamento Paraense na Construção da Cidade de Belém”. A edição contém documentos inéditos, como por exemplo, a Resolução nº 174/1850, “que autoriza o Governo da Província a aterrar e nivelar todo o Largo do Palácio do Governo” para a construção de esgotos, revestir os passeios com calçadas, colocando-se assentos e fazendo-se nele plantações de arvoredos e o que fosse necessário e útil ao público”. 


O Largo do Palácio incluía toda a área que hoje abrange a Praça Dom Pedro II, a Praça do Relógio e a Avenida Portugal.
Naquela época, na Doca do Ver-o-Peso desaguava o “Igarapé do ‘Piri’, que nascia e corria onde hoje fica a Trav XVI de Novembro. Ele foi aterrado, canalizado e nivelado, e no lugar de seu leito foram plantadas palmeiras imperiais. Foi denominado também Largo do Palácio, Largo da Constituição, a partir de 1821, e Largo da Independência, e foi retratado por. Giuseppe Leone Righini, pintor e naturalista que passou por Belém, em sua tela “Largo do Palácio”, que pertence à Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin – BBM, na USP.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *