Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Justiça suspende cobranças de Faculdades

Em decisões liminares nas ações da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, do Ministério Público Federal, juíza federal Hind Ghassan Kayath determinou a suspensão da cobrança de taxas irregulares pela Escola Superior da Amazônia e pela União Empresarial Educacional (Unempe), que mantém a Faculdade de Belém.  A  Fabel está proibida de cobrar pela expedição de certidão de conteúdo programático ou ementa de disciplinas, e a Esamaz deve suspender a cobrança da expedição de certidão de conclusão de curso, orientação de monografia, grade curricular, histórico escolar, provas finais e conteúdo programático ou ementa de disciplinas.
As duas instituições de ensino também ficaram impedidas de negar a rematrícula de alunos em situação de inadimplência no pagamento dessas taxas. 

A cobrança de taxas abusivas é uma queixa recorrente de alunos de instituições privadas de ensino superior no Pará. Por força da Constituição Federal e da lei 8.170/91 – que rege o setor educacional -, apesar de serem instituições privadas, as instituições de ensino superior prestam serviço público e, portanto, estão proibidas de cobrar do cidadão quaisquer taxas “para expedição de documentos necessários à defesa de direitos ou esclarecimento de situações de interesse pessoal”.
Além disso, o Conselho Nacional de Educação determina que as mensalidades são a única remuneração possível por todos os custos referentes à educação ministrada e pelos serviços diretamente vinculados.
Em caso de expedição de 2ª via, a cobrança deve se limitar ao valor do custo do serviço. 

Para denunciar ao MPF instituições que estejam cobrando taxas abusivas cliquem aqui.

O caso Esamaz (processo nº 0015944-89.2015.4.01.3900) tramita na 2ª Vara Federal em Belém. Leiam a íntegra da ação aqui, o inteiro teor da decisão aqui e façam o acompanhamento processual aqui

O caso Unempe/Fabel (processo nº 0016249-73.2015.4.01.3900) corre na 2ª Vara Federal em Belém. Leiam aquiação, aqui a decisão e   acompanhem a ação aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *