Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Jean Hébètte Cidadão do Pará

Um dos mais brilhantes docentes e pesquisadores da Universidade Federal do Pará, falecido em 11 de novembro do ano passado, Jean Hébètte foi agraciado pela Assembleia Legislativa do Estado do Pará na quarta-feira, 15 de fevereiro, com o título de cidadão paraense, in memoriam. A data não foi escolhida ao caso: seria o dia de seu 92º aniversário. 

Jean Hébètte viveu 46 anos na Amazônia. Ao longo de mais de três décadas, contribuiu sucessivamente com o Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA), o Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural (NCADR) e com o Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), na UFPA, construindo uma obra sólida e coerente sobre o campesinato amazônida. Na sua extensa produção bibliográfica, há mais de 100 títulos em que foi autor ou coautor, entre eles o aclamado “Cruzando a fronteira: 30 anos de estudo do campesinato na Amazônia”. No cenário nacional e internacional, é referência quando o assunto é a Amazônia, região que adotou para viver. 

Hébètte foi fundamental para a criação do curso de Especialização em Agricultura Familiar e Desenvolvimento (DAZ), que até hoje forma pessoas no atual Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural da UFPA. 

A iniciativa da homenagem, intitulada “Vida e Obra de Jean Hébètte”, foi do deputado Airton Faleiro(PT), que vivenciou momentos significativos junto ao professor. O agrônomo Emmanuel Wanbergue, escolhido para receber a condecoração, emocionou a todos ao destacar o ensinamento mais relevante que aprendeu com o amigo. “Entre os ensinamentos que aprendi com o Jean, destaco a noção que ele ensinou pra nós, no campesinato, sobre ser cidadão“. Ao final da audiência pública na Alepa, os presentes comemoraram, simbolicamente, o aniversário do pensador que deixou enorme contribuição aos temas que envolvem campesinato, meio ambiente, reforma agrária e fronteira amazônica. 

Em seu pronunciamento, Airton Faleiro acentuou que Jean Hébètte veio para o Brasil e dedicou toda sua vida à produção de conhecimento sobre a Amazônia.

O legado de Hébètte ao desenvolvimento social do Estado também foi evidenciado pelo presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda(DEM), que sublinhou, ainda, ter sido uma pessoa que dedicou a vida às causas do movimento social e sindical, estando na academia, e que seu exemplo deve inspirar a todos.  

Nascido na Bélgica, Jean Hébètte se ordenou sacerdote aos 24 anos e acumulou doutorados em Filosofia e Teologia na França. Atuou no Zaire, Burundi e Ruanda, na África, até chegar a Belém, em 1967, já com 42 anos, na condição de missionário da Ordem dos Oblatos de Maria Imaculada. Aqui, voltou aos bancos escolares para a graduação em Economia e logo que concluiu a especialização, em 1973, abriu nova linha de estudos na região e deslanchou a  carreira de pesquisador e escritor, concentrando sua atenção sobre o mundo rural e, nele, o camponês. 

Emanoel Van Berger, integrante da mesma congregação religiosa, trabalhou com Jean Hébètte em vários momentos na Pastoral da Terra da CNBB Norte II e na academia, por meio do NAEA, e foi o último dos amigos paraenses que o viu com vida, já na Bélgica. Ao visitá-lo em 2014, ele já estava debilitado pela doença, mas o recebeu com o largo sorriso que era a sua marca e conversaram muito em português, que o grande cientista social não falava havia dois anos e contou que, na Bélgica, mesmo sendo seu país de origem, se sentia “um peixe fora da água“, tamanho o amor pelo Brasil e pela Amazônia. 

A foto é de Ozéas Santos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *