Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Jader e o linguajar amazônico na política

Conforme postei aqui na segunda-feira passada, o ministro Helder Barbalho entregou o cargo naquele dia. A presidente Dilma Rousseff pediu que ele ficasse, de olho no voto de seu pai, o senador Jader Barbalho. Mas hoje Helder desembarcou mesmo do governo. E Jader se saiu com esta, à guisa de explicação: “caititu fora de bando vira comida de onça”. Para caboclo ruim de roda e que não entende o, digamos, borogodó amazônida: o PMDB marchará unido contra Dilma. Os desgarrados serão engolidos pela nova ordem política. E, como adiantei, Jader já conversou com Temer e Helder se preserva para ser de novo ministro em poucos dias.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *