Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Igarapé-Miri em estado de emergência

Desde o último dia 6 está em vigor o estado de emergência em Igarapé-Miri, por 90 dias, decretado pelo atual gestor, vereador Ronélio Antonio Rodrigues Quaresma, presidente licenciado da Câmara Municipal, que responde pelo município diante do afastamento e prisão temporária do prefeito Ailson Santa Maria do Amaral, o Pé de Boto, pela Operação Falso Patuá, do MPE-PA, que culminou com a cassação do alcaide e seu vice, Edir Pinheiro Correa, em processo eleitoral, sendo que, só no ano passado, o Legislativo municipal teve dois presidentes, tal a instabilidade política e administrativa.

A medida foi justificada pela necessidade de enfrentamento a várias questões urgentes. Para se ter uma ideia do caos, o prefeito em exercício não consegue sequer localizar os contratos em vigor, a fim de não serem interrompidos pelo menos serviços essenciais como limpeza pública, o funcionamento do hospital municipal e unidades de saúde (que estão sem medicamentos e material de higienização), o calendário escolar e programas sociais. Também não sabe qual a capacidade financeira do município para arcar com despesas de pessoal, fornecedores e prestadores de serviço. Vários documentos administrativos e contábeis foram recolhidos para análise da polícia, do MP e do Tribunal de Contas dos Municípios e até agora não devolvidos. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *