Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Idosos carentes têm vaga nos voos em Santarém

A Gol Linhas Aéreas S/A se rebelou contra ordem da Justiça Federal no Pará no sentido da concessão de passe livre para portadores de deficiência e idosos hipossuficientes, nos voos que chegam e partem de Santarém (PA). A empresa recorreu ao Supremo Tribunal Federal, através da reclamação (RCL) 26600, para suspender a sentença, mas o ministro Ricardo Lewandowski, relator, negou liminar e manteve a decisão.

O caso é que o Ministério Público Federal ajuizou ação civil pública contra a União, o Município de Santarém (PA), a falida Viação Aérea Riograndense (Varig) e a antiga TAM Linhas Aéreas S/A, a fim de assegurar aos idosos e deficientes passe livre no transporte aéreo interestadual, nos termos da Lei 8.899/1994 e 10.741/2003, bem como a reparação do dano moral coletivo. 

A decisão do magistrado de primeira instância condenou apenas a União à obrigação, inclusive com pagamento de indenização por dano moral coletivo de R$ 500 mil. Mas o MPF recorreu ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), que determinou a inclusão na demanda da TAM e da Varig. Em seguida, na fase de execução provisória da sentença, o juízo de primeira instância determinou a inclusão da Gol na causa, sob o argumento de que teria sucedido as obrigações da Varig. Na condição de sucessora, expediu intimação para que a Gol/VRG passasse a reservar, no prazo de 60 dias, nos voos com saída e chegada em Santarém, pelo menos dois assentos para transporte gratuito de idosos e deficientes, comprovadamente carentes. 

No STF, a empresa sustentou que a Gol/VRG e Varig são pessoas jurídicas distintas, e alegou impossibilidade jurídica, com base nos artigos 60 e 141 da Lei 11.101/2005 (Lei de Falências), de ser responsabilizada pelas obrigações impostas. Arguiu, ainda, que no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3934, o STF teria declarado a constitucionalidade desses dispositivos legais. 

Para o relator, contudo, a obrigação de conceder passe livre deriva da Lei 8.899/1994, que concedeu o benefício aos deficientes no sistema de transporte coletivo interestadual, e da Lei 10.471/2003 – chamada de Estatuto do Idoso –, que também assegura o benefício da gratuidade de transporte. Assim, entendeu que tais obrigações decorreriam de as empresas demandadas serem concessionárias de transporte público e não pelo fato da sucessão empresarial, não se ajustando com exatidão ao decidido na ADI 3934.  

Então, se souberem de portadores de deficiência e idosos carentes que precisam se deslocar no trecho, por favor orientem-nos acerca do direito assegurado pelo Supremo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *