O juiz Jonatas dos Santos Andrade renunciou à presidência da Amatra 8 – Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região e vai assumir o cargo de Juiz Auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça, a convite da ministra Rosa…

Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Os botânicos Fúvio Oliveira e Rafael Gomes, doutorandos do Programa de Pós-graduação em Botânica Tropical do Museu Paraense Emílio Goeldi e Universidade Federal Rural da Amazônia, concorreram com 86 jovens cientistas do mundo inteiro e estão entre os 23 contemplados…

Na próxima terça-feira, dia 16, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, deverá incluir na pauta do plenário a apreciação do Processo nº 7/2022, encaminhado pelo Tribunal de Contas do Estado, tratando da prestação de contas do Governo do Pará…

Hospitais particulares & a gripe A

A Gripe A fez a 1a. vítima fatal no Pará. Minha irmã Sandra Helena. Enfermeira e mãe de três filhos. Apesar de apresentar cinco sintomas clássicos da Influenza A (febre, tosse, náuseas, dificuldade para respirar e dores musculares), no hospital particular do plano de saúde dela, nenhum profissional que a atendeu seguiu o protocolo do Ministério da Saúde. E no caso dela, paciente de risco, deveria ter seu caso sido notificado à Secretaria de Saúde e ter recebido a medicação indicada, o Tamiflu. Esse medicamento deveria ter sido ministrado à Sandra dentro das 48 horas recomendadas pela OMS. Não foi feito isso, pq? O hospital na qual ela ficou internada levou sete dias para comunicar ao poder público a suspeita da Gripe A. O Tamiflu poderia não ter surtido efeito? Sim e não. Até hj o remédio se mostrou eficaz para diminuir a agressividade do vírus. Que foi devastador para os pulmões da minha irmã, que morreu ontem, dia 17 de agosto, as 12h20, em Belém, capital do Pará, Brasil. É isso aí! Para as Secretarias de Saúde é só mais um número nas estatísticas. Para mim era minha irmã, a quem amava e ansiava por rever viva. A Sandra cuidou de muitas pessoas. Mas, não recebeu dos colegas profissionais de saúde o cuidado que ela precisava no primeiro momento, O que poderia ter salvo a sua vida. E agora, ao invés deste inúmeros posts e da minha insuportável dor, eu talvez estivesse aqui a contar como ela venceu o vírus da Influenza A e que continuaria a cuidar de doentes e a criar seus filhos. Se 10% da atenção que ela recebeu da equipe de médicos da UTI – que lutou até o final por ela – tivesse sido dada no começo da doença, eu não estaria a reduzir a 140 caracteres a minha revolta, a minha impotência, a minha tristeza e, sobretudo, a saudade q minha irmã deixa.”
(Da jornalista e professora Ana Prado, ex-coordenadora do Curso de Comunicação da Unama, em sucessivos posts no Twitter)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *