A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

O Atlas da Dívida dos Estados Brasileiros, lançado no Fórum Internacional Tributário pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, aponta que a dívida ativa das empresas com os entes federados soma estratosféricos R$ 896,2 bilhões, significando 13,18% do PIB…

Ao abrir oficialmente o Forma Alepa/Elepa, o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, destacou a importância do trabalho que vem sendo executado pela Escola do Legislativo, treinando, qualificando e atualizando gestores, vereadores e servidores públicos, que dessa forma…

Em Itupiranga, força-tarefa do Ministério Público do Trabalho no Pará e Amapá, Auditoria Fiscal do Trabalho, Defensoria Pública da União e Polícia Federal resgatou sete trabalhadores em condições análogas às de escravos, em duas fazendas no sudeste paraense, e prendeu…

Hoje na História do Pará

Hoje no Pará todo mundo só sabe que é feriado estadual, mas poucos se interessam em buscar na História os verdadeiros acontecimentos de 15 de agosto de 1823, data oficial da adesão do Pará à Independência do Brasil.  Na realidade, John Pascoe Grenfell, mercenário inglês a mando do Imperador Dom Pedro I, chegou ao Grão-Pará, que obedecia diretamente à Coroa portuguesa, e pregou uma deslavada mentira, de acordo com o relato de Domingos Antonio Raiol, o Barão de Guajará, no volume 1 de sua obra “Motins Políticos”: “No dia 10 de agosto fundeou na Barra de Belém o brigue de guerra Maranhão, comandado pelo capitão-tenente John Pascoe Grenfell. Este, em cumprimento das instruções que recebera [do Imperador] pôs data nos ofícios e declarou à Junta Provisória que nas águas do Pará estava ancorada uma esquadra sob o comando do almirante Lord Cockrane, de quem recebera ordem para vir anunciar que ele fora encarregado pelo Imperador do Brasil de apoiar o partido que se tivesse formado em favor da Independência, e ao mesmo tempo pediu permissão para fundear no ancoradouro da cidade”. 
Foi assim que, em 15 de agosto de 1823, tomado de pavor, o Pará “aderiu” à Independência do Brasil.
 
Quando descobriu-se que era imaginária a existência da esquadra anunciada, tornou-se tamanho o ódio contra Grenfell, que não se duvidou tentar contra a sua vida”, revelou o Barão de Guajará
Aliás, vale registrar que os que tentaram matar o golpista mercenário foram os mesmos que arrastaram pelas ruas de Belém um grupo de patriotas marajoaras, de Muaná, que em maio daquele ano tinham se declarado brasileiros e aderido à Independência. Ironia do destino. 
Grenfell tinha só 23 anos e com ele no máximo 100 homens, e submeteu toda a população de Belém, que era no mínimo de 15 mil pessoas. Três meses depois, na Revolta do Brigue Palhaço, 256 pessoas foram confinadas no porão do navio São José Diligente e morreram asfixiadas, sufocadas ou fuziladas. A sucessão desses acontecimentos, que sufocavam movimentos populares, culminou na sangrenta Revolta da Cabanagem, em 1835.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *