Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Hecatombe anunciada

Local onde Dorothy Mae Stang tombou
Derrubada ilegal de árvores na reserva ambiental
Transporte ilegal da madeira
Fotos: Adriano Vizoni/Folhapress
Em 12 de fevereiro de 2005, aos 73 anos, a missionária Dorothy Stang foi assassinada com seis tiros no assentamento Esperança, em Anapu (PA). Quase seis anos depois, o local de sua execução continua cenário de sangrento conflito agrário. 80% dos lotes já foram vendidos ou invadidos, revela a Comissão Pastoral da Terra. Segundo o Incra, 22 famílias estão em áreas de reserva ambiental. Cada tora de árvore derrubada ilegalmente é comercializada por cerca de R$ 350.
A associação de moradores é ligada ao prefeito Francisco de Assis Souza, cujo vice é o fazendeiro Délio Fernandes, apontado como interessado na morte de Irmã Dorothy. Os demais são liderados pelo padre José Amaro, ameaçado de morte. Em plena audiência pública realizada pelo governo federal, na semana passada, Josildo Carlos de Freitas, do Sindicato de Trabalhadores Rurais e também ligado ao prefeito, disse ao microfone, perante cerca de mil pessoas, que seria melhor se o religioso pedisse transferência da cidade, “para seu próprio bem”. E emendou: “Ouvi dizer que você já cheira a defunto”.

Cabe perguntar: o que as instituições encarregadas de manter a ordem e a segurança pública esperam para agir? Uma hecatombe?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *