Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Festa de São Benedito e a Marujada


FOTOS: CRISTINO MARTINS 
Danças, louvores e procissão com o santo preto pelas ruas estreitas da cidade marcaram a bicentenária festa de São Benedito, na quatrocentona Bragança(PA), que começou desde as 7h da sexta-feira, 26, com uma missa na igreja de São Benedito, com direito a um leilão na barraca da Irmandade da Marujada. Às 16h, um cortejo reunindo cerca de 40 mil pessoas já lotava o centro histórico da cidade e, por onde passava, o andor com o santo era homenageado por devotos, formando um mar em vermelho e branco com o traje da Marujada. Maria de Jesus, 57, maruja há trinta anos, estreou este ano na função de capitoa, principal cargo hierárquico do ritual, onde conheceu seu marido, que também é marujo. A Festividade de São Benedito é um dos maiores e mais representativos eventos turístico-religiosos do Estado, declarado Patrimônio Cultural do Pará por meio da Lei Estadual nº 7.330, de 17 de novembro de 2009

A fundação da Irmandade do Glorioso São Benedito de Bragança marca o início da Marujada de Bragança. Em 1798, escravos tiveram a autorização de seus senhores para criar a organização e louvar ao santo preto, São Benedito. Em agradecimento, saíram de porta em porta comemorando. Desde então, há mais de duzentos anos, a Marujada acontece no âmbito da Festividade do Glorioso São Benedito, de 18 a 26 de dezembro, e envolve os moradores de Bragança, município localizado no nordeste paraense, não apenas durante a festa, mas também nos preparativos ao longo do ano.
Em maio tem início o período de esmolação, quando uma comitiva sai pela região com a imagem peregrina arrecadando doações para a festa. Em 8 de dezembro, uma procissão fluvial sai da localidade de Camutá até Bragança. Nos dias pares da semana que antecedem a festividade, há ensaios da Marujada no salão da Igreja de São Benedito. No dia 18 de dezembro, começa oficialmente a festa com a Alvorada, às 5h da madrugada, quando se ergue o mastro e marujas e marujos caminham descalços até a Igreja de São Benedito. As apresentações da Marujada seguem até o encerramento da festa, em 26 de dezembro. 

Organizada pela Irmandade, a Marujada é quase unicamente constituída por mulheres, que assumem o papel de direção. O cargo mais alto – e vitalício – é o de capitoa, geralmente ocupado pela mais velha do grupo, que desfila carregando um bastão dourado simbolizando sua autoridade. A subcapitoa, escolhida pela capitoa e sua substituta, está em um nível seguinte. Os homens, marujos dirigidos por um capitão, participam como tocadores ou acompanhantes.
Trajando blusa branca, faixa de fita vermelha e uma rosa de tecido, saia rodada comprida vermelha, azul ou branca e um chapéu vistoso enfeitado com fitas (quanto mais antiga, mais fitas) e plumas, as marujas visitam as casas, como na festa primeva, dançando ou andando em duas filas pelas ruas da cidade. À frente das filas, a capitoa e a subcapitoa. Acompanham-nas os marujos, vestidos com calça e camisa brancas, tocando tambor, pandeiro, cavaquinho, cuíca, viola e rabeca. No dia de natal, a saia das marujas e a blusa dos marujos são azuis. Já no dia 26 de dezembro, a saia das marujas e a fita amarrada no braço dos marujos são vermelhas. O ritmo predominante da Marujada é o retumbão, mas durante a celebração também há a execução de xote, chorado, mazurca, cada um associado a uma dança específica.
São ainda momentos integrantes da festividade em louvor a São Benedito a cavalhada, no dia 25, o leilão e a procissão, no dia 26. Na cavalhada, cavaleiros disputam argolas azuis e vermelhas, vencendo aquele que obtiver o maior número de argolas. O leilão é para que os participantes arrematem donativos arrecadados pela Igreja para a realização da festa. A procissão é um grande momento de devoção, quando o santo preto percorre a cidade, terminando com uma missa. A derrubada do mastro marca o fim do ritual, que vale muito apena ser visto.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *