Desde sua origem, Marabá (PA) sofre anualmente enchentes dos rios Tocantins e Itacaiúnas e a população que reside em áreas de risco fica em situação de vulnerabilidade. Todos os anos a defesa civil estadual e municipal planeja, monitora e prepara…

Em noite de gala na próxima segunda-feira, 24, às 19h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, em Belém, o governador Helder Barbalho vai lançar o 110º Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão Banpará 2022, com transmissão ao vivo pela TV e…

Todos os órgãos de segurança estão trabalhando de forma integrada para dar suporte à população em face da destruição do pilar central e iminente desabamento do vão da ponte do Outeiro. O Centro Integrado de Comando e Controle da Segup…

O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Pará, César Mattar Jr., recebeu em audiência o advogado Arnaldo Jordy e uma comissão integrada por Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará; Marcelo Alves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e…

Ex-prefeito de Monte Alegre com bens bloqueados

Em Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa,  o promotor de justiça de Monte Alegre Luciano Augusto Araújo da Costa obteve liminar  decretando a indisponibilidade dos bens e quebra dos sigilos fiscal e bancário de Raimundo Sérgio de Souza Monteiro (ex-prefeito), Alexandro Sérgio Baia da Silva (ex-pregoeiro do município), Wandersson dos Santos Ribeiro (ex-secretário de Educação) e da empresa Bom Bons e Descartáveis Ltda e seu representante legal, Jorge Luiz Antônio Veloso.   

Ficou comprovada em inquérito a manipulação do Pregão Presencial nº 038/2014, que tinha por objeto a aquisição de material de expediente esportivo e outros para o Programa Dinheiro Direto na Escola, realizado no dia 24 de abril de 2014. Apenas a empresa Bom Bons Descartáveis Ltda compareceu e foi considerada vencedora. Para se ter uma ideia, o certame não foi divulgado e ainda usaram recursos impeditivos para a participação de outras empresas. Mais: o contrato administrativo  já estava pronto e até assinado com data de 25/4/2014, no valor de R$ 337.945,20, e com cláusula anterior ao próprio processo licitatório (!). 

“Saliento ainda o fato de que o contrato em questão apresentava cláusula referente ao período de vigência no início retroativo para 20/3/2014, o que demonstra a intenção de burlar a lei para justificar o pagamento anteriormente realizado à empresa supracitada, nos valores de R$ 44.296,00 e R$ 19.547,00, realizados através de transferências bancárias, logo, os pagamentos foram realizados sem qualquer justificativa legal, trazendo prejuízo ao erário de no mínimo R$ 63.843,00”, frisa o promotor. 

O Ministério Público requereu o ressarcimento integral do dano causado ao erário, devidamente atualizado com juros e correção monetária; perda da função pública dos acusados pelo período de 10 anos;  suspensão dos direitos políticos;  e multa de até 100 vezes o valor da remuneração percebida pelos agentes, quando da época dos fatos. 

O MPE-PA apresentou também denúncia criminal contra todos os acusados, por associação criminosa, peculato, fraude a licitação e, ainda, responsabilidade de prefeito. Ufa!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *