0

Pelo terceiro ano consecutivo, o Judiciário proibiu a Marcha da Maconha, marcada para hoje, no vão livre do Masp (Museu da Arte de São Paulo).

O Ministério Público considera que o evento faz apologia ao uso de drogas.

A desembargadora Maria Tereza do Amaral, na liminar deferida ao MP, chamou o ato de “uso público coletivo da maconha“.

A organização da Marcha jura que iria usar baseados de orégano.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Vigilância da sociedade

Anterior

MPF vai enquadrar corruptos

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *