A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A Lei estadual nº 9.278/2021, que entrou em vigor em 30 de junho deste ano, instituindo a obrigação de que pessoas residentes em condomínios, conjuntos habitacionais e similares comuniquem à Polícia Civil, de forma imediata, qualquer tipo de agressão praticada…

Empoderamento das mulheres

Há décadas a representação feminina nas Casas Legislativas do Brasil não ultrapassa 10%.  


A escola da samba Estação Primeira de Mangueira traz este ano para o desfile de Carnaval do Rio de Janeiro o tema “Empoderar mulheres, empoderar a humanidade, imagine!” e seu samba-enredo “Agora chegou a vez, vou cantar: mulher de Mangueira, mulher brasileira em primeiro lugar” integra movimento da ONU contra a violência de gênero para resgatar os compromissos assumidos pelas Nações Unidas há 20 anos, na 4ª Conferência Mundial sobre as Mulheres, em Pequim. 


Reconduzida para mais dois anos à frente da Procuradoria Especial da Mulher no Senado, a senadora Vanessa Grazziotin(PCdoB-AM) vai priorizar a reforma política. A bancada feminina na Casa é formada por 13 senadoras. A missão do órgão,  instalado em março de 2013, é “zelar, fiscalizar, controlar e incentivar os direitos da mulher, criando mecanismos de empoderamento, especialmente em situações de desigualdade de gênero”.
Os debates na procuradoria deram origem a sugestões que foram incorporadas a diversos projetos de lei, entre os mais importantes o que cria uma nova figura no Código Penal, o feminicídio. O PLS 292/2013 agrava a pena em casos de homicídio por razões de gênero. Segundo a senadora, “trata-se do justo reconhecimento de que o óbito é a expressão maior da violência contra as mulheres”. O projeto foi aprovado no Senado e deve ser apreciado este ano pela Câmara dos Deputados.
Entre outras questões que a procuradoria debateu nos últimos dois anos, estão o parto humanizado, a violência doméstica e o aumento da participação das mulheres na política. 



Como o Pará não tem representação feminina no Senado, fica fora desse importantíssimo forum de debates.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *