O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Dois prefeitos condenados e inelegíveis

Os ex-prefeitos Francisco Feitosa Farias (de São Domingos do Capim) e Fernando Edson dos Santos Loureiro  (de Santarém Novo), condenados pela Justiça Federal em Castanhal por improbidade administrativa, tiveram seus direitos políticos suspensos e vão ser obrigados a devolver mais de R$ 2,5 milhões, mais multa equivalente a 1/8 desse valor. As ações foram ajuizadas pelo procurador da República Bruno Soares Valente, do Ministério Público Federal. 

O ex-gestor de São Domingos do Capim, declarado inelegível por 7 anos, cometeu irregularidades na aplicação de recursos repassados pelo Ministério da Saúde, conforme relatório do Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus). Ausência de processos licitatórios, inexistência de plano municipal de saúde, falta de medicamentos e deficiência de transporte para remoção de pessoas foram apontadas pelo órgão. 

Já o ex-prefeito de Santarém Novo não prestou contas de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação nos anos de 2006 e 2007. O dinheiro era destinado ao Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar.
Terá que devolver R$ 30 mil aos cofres públicos, além de multa no valor da última remuneração recebida e inelegibilidade por três anos. 

Leiam aqui a íntegra da ação de São Domingos do Capim e aqui o inteiro teor da ação de Santarém Novo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *