Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Desgaste à toa

Mais uma derrapada da assessoria – jurídica, de comunicação e política – expôs a governadora Ana Júlia Carepa a novo desgaste perante a opinião pública. Depois de muita grita da oposição e justificativas da situação, eis que o governo enviou ontem carta à Alepa, na hora da votação em plenário de veto à Lei de Diretrizes Orçamentárias, recuando em parte, para assombro geral.
Vejam só: o veto incide sobre duas emendas aprovadas na Assembleia quando da tramitação e votação do Projeto da LDO 2009. O primeiro exclui o parágrafo 4º do artigo 4º, que trata das categorias de programação da Lei Orçamentária. O segundo, o parágrafo 2º do artigo 31, que garantia acesso de todos os deputados estaduais aos quatro sistemas de controle, de Administração Financeira para Estados e Municípios (Siafem), de Gestão dos Programas (GP-Pará), de Execução Orçamentária (SEO) e o Integrado de Materiais e Serviços (SIMAS).
Detalhe: a razões do veto, alinhadas oficialmente pelo governo, são de que tais dispositivos contrariam o interesse público. Mais: a governadora apôs um veto, com uma só justificativa, para dois artigos e seus respectivos complementos.
Aí até os governistas ficaram numa sinuca de bico. Afinal, na apreciação do veto, só cabe aprovação ou rejeição. Se aprovado o veto, não ficaria garantido o que a própria governadora, de modo, digamos, sui generis e pouco ortodoxo, para dizer o mínimo, assegurou via missiva da Casa Civil. Se rejeitado o veto, abriria – ou ampliaria? – um fosso entre Executivo e Legislativo.
O líder do governo, deputado Airton Faleiro, propôs a votação do veto em duas etapas, desmembrado em dois destaques. Pediu aprovação do veto e mais um voto de confiança na promessa do governo de tornar as senhas de acesso ao Siafem e ao Sistema de Informações de Contas do Estado disponíveis até o final do mês, conforme está escrito na carta de Cláudio Puty enviada ao presidente Domingos Juvenil e lida em plenário. Caso contrário, “o governo não vai poder se comprometer com a implantação de acesso ao sistema dentro do prazo estabelecido no documento enviado pela Casa Civil”.
O líder do PTB, deputado Joaquim Passarinho, disse que queria discutir na tribuna, até porque nunca tinha visto votar veto (epa!) único em separado. Foi um bafafá danado. A votação do veto ficou para a sessão ordinária de hoje, prometendo novas emoções e neologismos jurídico-político-regimentais.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *