A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Em ação civil coletiva do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnico Duchista, Massagista, Empregados em Hospitais e Casa de Saúde do Estado do Pará, na qual o Ministério Público do Trabalho PA-AP atuou como fiscal da lei, a 2ª Vara…

Patrick Luis Cruz de Sousa, candidato a presidente do Conselho Regional de Farmácia do Pará pela Chapa 1 e atual conselheiro do CRF-PA, discursa na campanha em favor das mulheres, que representam 70% da categoria, mas no início deste ano…

A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

Desembargadoras do TJE-PA afastadas pelo CNJ

As desembargadoras do TJE-PA Marneide Merabet
e Vera Araújo de Souza, alvos da Sindicância nº 0005448-95.2011.2.00.0000 do
CNJ, cujo relator é o ministro corregedor Francisco Falcão, foram afastadas de
seus cargos até a conclusão de Processo Administrativo Disciplinar.


A Desa. Vera Araújo, quando titular da 5ª Vara Cível, autorizou bloqueio
de R$2,3 bilhões do Banco do Brasil, requerido em 4 de novembro de 2010 por
Francisco Nunes Pereira, em caráter liminar, sem ouvir a outra parte nem o MPE-PA.
O BB afirmou que se tratava de uma fraude, mas a magistrada não deu ouvidos ao
banco. Em sede de recurso, a desembargadora sorteada como relatora, Gleide
Pereira de Moura, declarou suspeição por motivo de foro íntimo. A
desembargadora Marneide Merabet, da 1ª Câmara Cível Isolada, que a sucedeu, manteve
a liminar, em decisão monocrática. Um mês depois, alertada pelo BB, a então corregedora
nacional de Justiça, Eliana Calmon, em decisão polêmica porque extrapolava sua
competência – mas considerando a gravidade da situação -, revogou a liminar e
determinou a instauração de PAD contra a magistrada.


Francisco Nunes Pereira, ilustre desconhecido do interior de São Paulo, alegava
que o dinheiro era seu, porque teria sido creditado em sua conta havia cinco
anos, por pessoa não identificada, sem que tivesse sido reclamado, em dois
depósitos, um de R$ 900 milhões e outro de R$ 1,4 bilhão. O BB não autorizou o
saque, argumentando que os comprovantes eram falsos. Ele ajuizou, então, uma
ação de usucapião especial perante a 5ª vara de Brasília, que sequer aceitou o
pedido, e extinguiu o processo sem exame do mérito. E fez nova tentativa em
Belém, onde a juíza Vera Araújo de Souza atendeu de pronto o autor, sob pena de
multa diária de R$ 2 mil ao BB em caso de descumprimento.


Um ano depois, por maioria de votos, o pleno do TJE-PA rejeitou, a
partir de uma apuração preliminar, a instauração do PAD contra a juíza. Mas o
CNJ anulou a decisão e assumiu o encargo. Vera Araújo de Souza foi alçada a desembargadora,
por antiguidade.


 

Aí, o castelo de cartas desmoronou subitamente. Francisco Nunes Pereira,
através de seu preposto, Juarez Correa dos Anjos, desistiu da ação de usucapião
sobre depósito bancário, o Banco do Brasil aceitou e a juíza Vera Araújo de
Souza homologou o acordo, extinguindo o processo sem exame do mérito. Com isso,
a desembargadora Marneide Merabet, por sua vez, decretou a perda do objeto e
também mandou arquivar o recurso.


Soube-se depois que o golpe já tinha sido tentado, sem sucesso, em
Brasília, Maceió e Florianópolis. Os oito integrantes da quadrilha dos R$2,3
bilhões do Banco do Brasil foram presos, inclusive um advogado e dois
empresários.


Segundo o ministro Falcão, as magistradas violaram os princípios da
independência, imparcialidade, integridade profissional e prudência. O
conselheiro Gilberto Martins se declarou impedido de votar por ter sido
responsável pelas ações penais que o Ministério Público do Pará propôs na
investigação, antes de tomar posse como conselheiro do CNJ.


Leiam aqui a
íntegra do voto do relator.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *