A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

Desastre ambiental

O anúncio de meia página publicado nos jornais de Belém pela Imerys Rio Capim foi de uma infelicidade à toda prova. Ao invés de assumir as suas responsabilidades e mostrar preocupação, a empresa tentou minimizar o desastre ambiental em Barcarena, tapando o sol com a peneira. Foi desmoralizada pelo laudo do Instituto Evandro Chagas, que detectou a morte dos igarapés Curuperé e Dendê, por resíduos
tóxicos. Alguém precisa cobrar da empresa estudos ambientais, monitoramento ininterrupto por especialistas e ações eficazes para restabelecer o equilíbrio ecológico na região atingida. Daqui a sabe Deus quantos anos, porque o mesmo ecossistema nunca mais existirá.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *