Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Deputado do Pará usa farda em plenário

A exemplo do deputado federal de primeiro mandato José Augusto Rosa (PR-SP), que se elegeu como Capitão Augusto, ex-oficial da Polícia Militar, e participa das sessões plenárias e circula pelos corredores da Câmara fardado e coberto de medalhas de condecorações, o deputado estadual Coronel Neil(PSD-PA) também foi fardado à tribuna da Alepa, hoje. São os primeiros parlamentares a trabalhar nesses trajes, ferindo os regimentos internos das respectivas Casas de Lei. Augusto Rosa diz que tem permissão do presidente da Câmara Federal, deputado Eduardo Cunha(PMDB-RJ). Mas o presidente não tem o condão de suplantar o regimento interno, e muito menos a Constituição. Afinal, todos foram eleitos para representar a sociedade brasileira e estadual, e não corporações militares. Aliás, os militares tiveram que ir para a reserva, ao assumir os mandatos. 

O deputado Capitão Augusto quer criar o Partido Militar Brasileiro (PMB). A se confirmar, será o 33º partido em exercício no Brasil, o 29º com representação na Câmara e o primeiro assumidamente de direita, originário da antiga Arena – o partido criado no início da ditadura, em 1965, e que deu sustentação ao regime militar.
O número da sigla tem quatro opções. A primeira, 18: a idade do alistamento militar obrigatório, mas também a idade da maioridade penal que querem derrubar no Congresso Nacional.
A segunda, 38, por causa do famoso três oitão, o revólver mais usado pelas corporações militares.
A terceira, 64, em homenagem ao golpe civil-militar.
E a quarta, 99, para ser bem diferente de tudo mesmo, diz o deputado capitão.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *