0
Não sei por que tantos advogados têm chiliques quando são abordados para identificação ou têm que passar pelo detector de metais nas portas dos tribunais. Afinal, é a própria Constituição que diz que todos são iguais perante a lei e que é proibida qualquer discriminação. E ninguém pode esquecer que, no exercício da profissão, advogados cometeram homicídios em pleno Fórum.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Euforia remista

Anterior

O Bufão

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *