Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

Começou oitiva de praças denunciados

A Justiça Militar começou hoje, 2, e continuará até o dia 6 de fevereiro o interrogatório dos 41 policiais militares envolvidos na paralisação em abril de 2014. O promotor de Justiça Armando Brasil Teixeira, que ofereceu a denúncia em junho do ano passado, vai acompanhar os depoimentos. Os PMs ficaram aquartelados e obstruíram a BR-316, quando reivindicavam reajuste de seus vencimentos. O Ministério Público do Estado do Pará denunciou que, no dia 3 de abril de 2014, pela manhã, por ocasião da entrada de serviço das guarnições, nas instalações do quartel do 6º BPM houve o amotinamento de policiais militares, armados, que se insurgiram contra a ordem do comandante daquele Batalhão. Reclamavam que o reajuste era inferior e desproporcional ao percentual aplicado aos oficiais. A interdição da rodovia causou grande congestionamento, transtornos e sérios problemas a toda a população, o que levou a Promotoria de Justiça Militar a instaurar inquérito para apurar os fatos. Segundo o promotor de Justiça Armando Brasil, “se extrai dos autos que todos os denunciados incidiram na prática das seguintes condutas criminosas: motim, revolta, organização de grupo para a prática de violência, omissão de lealdade militar, conspiração, aliciamento para motim ou revolta, incitamento, recusa de obediência e reunião ilícita”. 

Os 41 praças denunciados são: Walcir da Silva Correa, Tércio Júnior Sousa Nogueira, Augusto Cesar Correa Leal, Antonio Carlos Leal Alves, Lucival Brito, Moisés Ferreira da Silva Duarte, Adriano da Silva Ribeiro, Antonio José da Costa Carvalho, Aldoberto Ferreira da Silva, Paulo Cesar Serra Necy, Carlos André Fonseca da Cunha, Deylon Lima de Miranda, Ernani Rogério da Silva Costa, Denise Souza da Silva, Adeilson da Silva Cordeiro, José Jailson Teodoro Garcia, William Barreto Mesquita, Ricardo Alexandre Araújo Leal, Sílvio Humberto Lima Coelho, Erlon Carlos da Silva Brito, Claudemir Maia Jucá, Rafael Lima da Silva, Luciano Souza de Oliveira, Edson da Silva Amaral, Luciano Lobato de Lima, Cileny do Socorro Silva Santos, Carlos Alberto Bahia Cabral, Josemir Pinho Ferreira, Sandro Augusto Palheta Portal, Fernando Magno Ramos, Francisco Edivaldo Xavier Bezerra, Fernando Passinho da Silva, Edson Lima da Luz, José Anilton Bentes da Cruz, José Clodoaldo de Oliveira Júnior, Klever de Leão Rocha, Reinaldo Fagner Braz Leão, Osmar Leonardo Dos Santos, Afonso Meireles Santa Rosa, Marinaldo Gomes Correa e Celso da Silva Montelo. 

Walcyr da Silva Corrêa também incorreu no previsto no artigo 209 do Código Penal Militar Brasileiro (lesão leve), ao agredir o repórter da TV Liberal Márcio Rebelo Lins Costa, que cobria a manifestação dos PMs na rodovia BR-316.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *