Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Cidadania para a Democracia

Colocar
na urna não só o voto pessoal, mas a consciência de que o voto tem
consequências para a vida do povo, para o futuro do País
” é o cerne d
a cartilha Eleições Municipais 2012: cidadania para a democracia, preparada em parceria do
Conselho Nacional do Laicato do Brasil, Comissão
Brasileira de Justiça e Paz da CNBB, Centro Nacional de Fé e Política Dom Helder
Câmara e pastorais.

Fundamentado na
metodologia “ver-julgar-agir”, o material traz uma análise sobre a crise do
Estado, da democracia, a responsabilidade de cada cidadão e os desafios para o
cristão na política. E chama a atenção para a ação coletiva e a importância do
voto cidadão: 

Escolha
candidatos que não trocam seu voto por tijolos, bolsas de alimento, remédios,
promessas ilusórias para melhorar seu bairro
”.

Escolher
um candidato é escolher um plano político, uma visão de homem e de cidadão, e
escolher o futuro de sua cidade. Por isso, o voto deve ser responsável,
expressão de um antes, durante e depois”. 

“A aspiração do
povo é ter políticos com ficha limpa, honestos, mas ainda há um jeito antigo de
fazer política, como se a corrupção fizesse parte. Mas o povo quer outra coisa,
porque as pessoas sofrem na carne com a corrupção. Cada dinheiro desviado dos
cofres públicos deixa de ir para a saúde, a habitação, a educação
”.

A orientação é para
que o eleitor examine a vida da pessoa em quem vai votar, veja se não é
corrupto e se está comprometido em trabalhar pelo bem do povo, respeitando o
processo democrático. Ou se está somente em busca de poder para si e seu
partido.
Todos podem e devem se empenhar na
aplicação da Lei 9.840, de combate à corrupção eleitoral. É a hora e a vez do
voto livre, consciente e eficaz!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *