Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Cidadania, onde?

Outro dia fui a um supermercado na Doca de Souza Franco, ao final da tarde. Dois condutores de veículos se acharam mais espertos e ao invés de seguirem a fila, que estava longa e lenta, tentaram furar a passagem na entrada da garagem. Ninguém deixou. Um deles, mais à frente, acabou passando da entrada e tentava voltar de ré. Um flanelinha se dispôs a ajudar. Àquela altura, todos já tinham entrado e estava na vez do segundo carro fora da fila, cujo motorista achou um absurdo e protestou contra a manobra, esquecendo que tinha feito a mesmíssima coisa. O flanelinha, desbocado, lembrou-o da própria conduta. Houve bate-boca entre os dois. Na volta, naquela subidinha da Tiradentes, esquina com a Quintino, outro espertinho avançou o sinal e “fechou” meu carro pela direita para me ultrapassar. Mais adiante, na esquina com a Rui Barbosa, um gentio fechou o cruzamento e o trânsito parou de fluir. Motoqueiros trafegavam na calçada em alta velocidade, para terror dos pedestres, inclusive senhoras idosas e crianças.

Não à toa, no Pará, como em todo o Brasil, a selvageria no trânsito mata mais do que soldados em zonas de guerra. Motoristas se comportam de forma bestial. Param em filas duplas e triplas e simplesmente ligam o pisca-alerta. Ocupam indevidamente vagas de cadeirantes e de idosos. Não dão passagem aos que saem de estacionamentos. Deslocam-se da direita para dobrar à esquerda e vice-versa. Ônibus avançam sinais, param no meio da rua para receber e deixar passageiros, trafegam em alta velocidade, fazem curvas nas quais os veículos só por milagre não capotam. Vans transitam abarrotadas e com portas abertas. Motoqueiros dançam entre os carros e bicicletas, arrancam retrovisores e ferem pinturas, quando não atropelam alguém, ficam mutilados ou morrem em colisões. Pedestres usam as ciclovias para correr ou caminhar. Ciclistas trafegam na contramão.

É perverso, desumano, brutal. Cidadania, onde?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *