Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Celpa foi sabatinada na Alepa

Fotos: Ozéas Santos

Toda a diretoria da Celpa e Firmino Sampaio, o presidente da holding Equatorial Energia, que detém o controle acionário da concessionária, prestaram esclarecimentos, hoje, na Assembleia Legislativa, durante reunião almoço que acabou quase às 16:30h. O presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda(DEM), ao abrir a reunião, cuja iniciativa foi dele, acentuou que o Poder Legislativo é caixa de ressonância do povo e os deputados estaduais queriam saber o porquê da má prestação dos serviços e do alto valor da tarifa cobrada pela empresa, que está no patamar de quarto maior do Brasil, após o reajuste realizado no ano passado, de 34,34%, homologado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e que está penalizando ainda mais as famílias paraenses. 


O Pará é um dos maiores produtores de energia, e tem a terceira maior hidrelétrica do mundo, o que para os deputados não justifica o valor exorbitante na conta de energia elétrica“, salientou Márcio Miranda, ao comentar o volume de reclamações e denúncias referentes aos serviços prestados pela Celpa e a possibilidade de instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito. Ele questionou as constantes quedas no fornecimento de energia elétrica, contas abusivas e queima de eletrodomésticos, reclamando, ainda, da falta de informações da concessionária perante a sociedade e pedindo que faça investimentos em todos os polos regionais, como forma de enfrentamento dos apagões. O presidente da Alepa cobrou prazo para a Celpa atingir pelo menos a média nacional, como compromisso perante a sociedade parauara, e pediu a designação de alguém que fique responsável pelo contato com o parlamento estadual, receba as queixas e informe providências. “A inquietude da população bate às portas dos deputados, que são cobrados a todo instante e onde estiverem. É preciso respostas rápidas para minorar a dificuldade de comunicação e não serem necessários outros encaminhamentos”, pontuou Márcio Miranda. 

O diretor de relações institucionais da Celpa, Mauro Chaves, assumiu a responsabilidade de ser o elo solicitado. Durante quatro horas, os executivos apresentaram dados, com gráficos comparativos, e tentaram melhorar a imagem da empresa, atribuindo à Aneel  a definição das tarifas, expondo a inadimplência dos consumidores e as perdas com fraudes, os populares “gatos”, feitos por pessoas físicas e jurídicas. O presidente da Celpa, Nonato Castro, admitiu falhas mas contou casos escabrosos. Relatou que a perda era de 63%, a mais alta do Brasil, reduzida hoje a 43%, que continua alta. Chegou a dizer que encontrou mais de dez mil casos de fraudes de consumidores, e que muitos “gatos industriais” já estão no âmbito do Judiciário. Enumerou 30 mil geladeiras substituídas, além de 500 mil lâmpadas econômicas, o projeto  Ecocelpa, para orientar e disseminar boas práticas, e insistiu que a empresa não quer estressar o consumidor. Segundo o executivo, a sua diretoria passou 7 meses organizando a empresa, treinou funcionários, reformou agências e aumentou o horário de atendimento, entre as providências tomadas nos últimos dois anos. Alegou que o call center atende 419 mil ligações/mês e a diretoria ouve 20 mil, e que a Celpa está implantando tecnologia, num investimento de R$1,3 bilhão previsto para os próximos três anos em novas subestações, redes e alimentadores. Uma subestação móvel que pode atender até 130 mil pessoas simultaneamente foi adquirida, a fim de minorar as deficiências. O presidente da Celpa concordou que está ruim ainda, mas garantiu que a prestação do serviço melhorou muito em pouco tempo. E informou, ainda, que pretende expandir a rede, trabalhar mais com linha viva para evitar desligamentos, enfatizando que os apagões do linhão do Tramoeste não são culpa da Celpa. Lembrou que, à época da recuperação judicial, a empresa dispunha de R$70 milhões no banco, do programa Luz Para Todos, e não podia usar, porque não tinha certidão negativa. A diretoria da Celpa não nega que a tarifa é cara, e que é preciso achar alternativas. Mas aduz que não interessa oferecer o produto a um preço que as pessoas não podem comprar. Colocando a questão como problema estrutural do País inteiro, aconselhou o Pará a se mobilizar politicamente a fim de obter tratamento diferenciado pela União. Segundo os diretores, a empresa não tem a intenção de maltratar os clientes e alertou que, até maio deste ano, 217 mil famílias podem perder o benefício social, porque não se recadastraram no programa Bolsa Família. O presidente da Celpa, Nonato Castro, não quis revelar quais empresas estão  envolvidas nas irregularidades que encontrou e deram causa a prejuízos à Celpa. Argumentou que está orientado pelos advogados a manter os nomes em sigilo porque “pode ser processado”, e que só quando as ações judiciais tiverem desfecho é que poderá identificar os que fazem (ou fizeram) “gatos”. 


O deputado Carlos Bordalo(PT) levantou a questão da grave distorção do fato de o Pará produzir grande parte da energia elétrica do País e o ICMS ser recolhido no destino, prejudicando a economia parauara. Sugeriu que a Alepa proponha o pagamento de uma compensação pelo governo federal e, ao invés de procurar um culpado, os esforços sejam unificados e o Cade único utilizado para incluir os cadastrados no Bolsa Família na tarifa social da Celpa. Com isso, acredita, será possível reduzir as perdas do sistema. 


Já o deputado Eliel Faustino(SDD), líder do Governo, que acaba de criar a Frente Parlamentar em Defesa dos Consumidores de Energia Elétrica, contestou a informação de que a ineficiência não onera a conta de luz elétrica. Lembrou que, em qualquer lugar, quem arca com as consequências da ineficiência é o consumidor. “Comparar o Pará com São Paulo é absurdo”, contrapôs. 


Miro Sanova(PDT), avisou que quer fazer parte da Frente para discutir as deficiências dos serviços e a tarifa de energia. Destacou que o Pará tem a usina de Tucuruí, está em construção a de Belo Monte, há vários projetos de hidrelétricas, mas a qualidade do serviço da Celpa é péssima, o preço é alto e quem paga tem que ter um bom serviço. Apagões, queima de eletrodomésticos, call center muito aquém das necessidades são alguns dos nós apontados.


O deputado coronel Neil(PSD) narrou que, como policial, testemunhou a instalação de “olhões” na Cidade Velha, onde quebraram paredes das casas, numa delas impediram até o uso da garagem e, quando o proprietário reclamou, o empregado da Celpa disse que “ligasse para o call center para reclamar”. Ele orientou no sentido da condução coercitiva do cidadão, para fazer um TCO e responsabilizá-lo pelo provável furto do carro. 


O deputado Soldado Tércio (PROS) insistiu que o presidente da Celpa revelasse que irregularidades flagrou, no que não foi atendido. E advertiu que, assim como a revolução francesa aconteceu porque o povo não aguentava mais ficar sem pão enquanto a nobreza desperdiçava, comparou que o povo não mais suporta o pesado ônus e a falta de energia elétrica. 


A Alepa aprovou, hoje, uma comissão de acompanhamento sobre o tema e uma comissão de estudos, além de requerimento para sessão especial no próximo dia 5. 


O Pará mantém duas usinas hidrelétricas que geram energia para o Sistema Integrado Nacional, a de Tucuruí, e a de Curuá-Una, em Santarém, que produzem cerca de 9 mil MW. Uma terceira UHE (Belo Monte) está em construção, às proximidades de Altamira, com previsão de entrada em operação em 2016, e outras duas hidrelétricas já foram projetadas nas regiões oeste e sudeste para aproveitar o potencial hídrico dos rios Tocantins e Tapajós. A Celpa expôs que os municípios onde estão instaladas as UHE e os que tiveram suas áreas afetadas pela inundação do lago que se formou têm direito a receber mensalmente royalties, uma compensação financeira pelo uso dos recursos hídricos. A Eletronorte recolhe e repassa os valores, e uma parte fica com a União para investir em políticas ambientais e de recursos hídricos, conforme determina a legislação vigente no País.
No caso de Tucuruí, outros municípios são beneficiados com os royalties da geração de energia. A divisão depende da área alagada de cada um. Quanto maior a área afetada, maior o percentual dos recursos repassados. Breu Branco, Goianésia do Pará, Itupiranga, Jacundá, Marabá, Nova Ipixuna e Novo Repartimento integram a lista dos beneficiados financeiramente pelos royalties da UHE-Tucuruí. 



A concessionária avisa que quem adquire novos produtos eletrônicos deve ficar atento para a carga de energia que esse equipamento vai demandar. Aparelhos como ar-condicionado, chuveiro elétrico, forno elétrico, entre outros, consomem muita energia e podem sobrecarregar a rede de cada residência. Para evitar a sobrecarga, é preciso observar a potência de cada novo equipamento adquirido.
Em todo o Pará, a tensão da rede de distribuição é de 110 volts. No caso do consumidor adquirir uma central de ar-refrigerado com voltagem 220, ele precisa solicitar à Celpa a mudança na fase de energia para bifásico para que o equipamento seja utilizado de forma adequada e não gere problemas na rede elétrica. É necessário que o consumidor observe também os disjuntores e condutores: o dimensionamento correto destes materiais é fundamental para a manutenção da qualidade e segurança no fornecimento de energia. O padrão de entrada de energia das residências deverá estar de acordo com as normas técnicas e de segurança e com livre acesso aos funcionários da concessionária de energia.
Ao detectar que a partir da utilização de novos aparelhos elétricos a carga de energia é insuficiente, é necessário entrar em contato com a Celpa e solicitar orientação. Nesse caso, é importante manter atualizada na concessionária a declaração de carga da unidade consumidora.
O cliente pode acessar a Celpa através das agências de atendimento ou por meio da Central de Atendimento pelo telefone gratuito: 0800 0910196​.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *