Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Celpa e Guascor condenadas

Celpa e Guascor do Brasil terão que criar uma subestação destinada a atender a cidade de Juruti, no oeste do Pará, no prazo de um ano, a contar da publicação da sentença, sob pena de pagamento de R$ 100 mil por dia de descumprimento.
É que as duas empresas não vêm cumprindo a obrigação legal de manter estável, regular e satisfatório o fornecimento de energia elétrica na região, serviço considerado essencial. Nos autos de processo judicial, praticaram o famoso
jogo de empurra. A Celpa, distribuidora, alega que a culpa é da geradora de energia elétrica Guascor que, por sua vez, diz que a responsabilidade é da Celpa. O juiz condenou ambas.

As empresas terão ainda que pagar, como indenização por dano moral coletivo, R$ 500 mil, valor a ser revertido para projetos de preservação ambiental e direcionado ao Fundo Estadual de Direitos Difusos ou outra instituição que vise a proteção dos consumidores.
A sentença também determina que a Celpa deverá expandir a rede de energia elétrica da cidade, acompanhando seu crescimento demográfico, e estender o fornecimento aos bairros ainda não atendidos no máximo em 90 dias. Deve ainda regularizar a rede de fiação clandestina, tanto na zona urbana quanto na rural. Caso descumpra a determinação judicial, a multa é de R$ 10 mil por dia.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *