Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

CDP à deriva

A Companhia Docas do Pará está, literalmente, à deriva. Desde a semana passada, seus diretores de Gestão Portuária, Socorro Pirâmides, e Olívio Gomes (presidente interino) largaram suas atribuições, sem nomear substitutos para decisões e providências urgentes, e foram para Brasília, onde se engalfinham para galgar a presidência da CDP ou pelo menos se manter nos atuais cargos.

A respeito da postagem CDP em chamas, o ex-presidente da CDP, Clythio Raymond Speranza Backx Van Buggenhout, enviou ao blog o seguinte comentário, que publico em destaque, com a minha resposta:


Cara Frassinete – agora que não sou mais um “pseudo-notável” no cenário, vamos fazer uma “errata” do post, ou de parte dele – acho que a CDP tem que fazer o trabalho dela pela sociedade, e sumir do noticiário político, policial, social, etc. Um dia, a sociedade tem que se interessar pelo resultados econômicos e ver a CDP como fator de geração de desenvolvimento, deixando de enxergar “o casarão” como uma versão local do BBB, ou da “Casa dos Políticos”..
Vamos lá: Nunca fui e nem sou filiado a partido algum, e como outros nomeados pelo Ministro Pedro Brito, fui indicado por currículo – admiro mas não conheço o Dep. Ciro Gomes pessoalmente, e o Ministro não me conhecia antes da indicação técnica. Mas tenho boas amizades nos partidos locais, onde existem sempre bons quadros, incluindo aí o PT e o PSB.
Nunca pedi permissão ao Ministro para praticar atos de competencia do DIRPRE segundo o Estatuto Social, porque desde o início tive independência para isso. Pratiquei as substituições que julguei necessárias à montagem de uma equipe renovada – diversos outros nomes internos foram também substituídos. Nunca demiti um diretor, e isso não está na alçada do DIRPRE. Claro que houve um período de adaptação e algum atrito, afinal, cheguei “por último”, e isso é natural numa diretoria de pessoas com diferenças de cultura, crença, postura política, etc., mas em dois anos nenhuma decisão da Diretoria Executiva deixou de ser unânime – a desunião ou clima de atrito permanente descrito sempre foi criação ou desejo dos que gostariam que assim fosse – haviam discordâncias negociadas e resolvidas – se houvesse tal hostilidade, os resultados que a CDP alcançou (podemos falar mais sobre isso), teriam sido impossíveis em apenas dois anos. Tive na Socorro grande parceira de Diretoria, com enorme dedicação e capacidade complementar à minha, assim como no Olívio, que, funcionário da casa, sempre tinha a visão histórica da empresa nas decisões que foram tomadas.
O número de estagiários, e principalmente, os gastos com mão de obra terceirizada, há dois anos, estavam BEM ACIMA dos números atuais – muito está sendo feito, e além da empresa estar no limite de seu efetivo autorizado – não pode admitir agora, mesmo que por concurso – os salários iniciais do nível superior são baixos e não permitiriam fixar os profissionais.
É natural que o Ministro deixe interino alguém de seu partido, já que ainda não foi definido o novo Presidente que, esperamos, seja técnico e competente, com ou sem vinculação partidária. A CDP vive um momento virtuoso, e apesar de nunca ter me deixado apegar ao cargo, foi com pesar que deixei a Presidencia da CDP, período duro mas que nunca vou esquecer, porque tenho certeza que 2010 vai ser mais um ano desse ciclo.
E por último, de fato os salários base precisam ser revistos (tem muitos no prédio sede que ganham pouco) e estão sendo, através de proposta de Plano de Carreiras já finalizado e sob análise do Min. Planejamento, mas a REMUNERAÇÃO MÉDIA MENSAL na CDP está na faixa de 4 a 5 mil reais, no geral dos mais de 300 funcionários, e não há motivo para os “anônimos” criticarem contratações temporárias para atender à demandas também temporárias, desde que dentro da lei. Coisa de funcionário insatisfeito, gente que se acha merecedor de cargos de confiança e está de fora… – sds, Clythio.”
Resposta do blog:
Comandante Clythio, com todo respeito, contesto sua versão.

É verdade que o corpo funcional da CDP anseia o resgate de sua auto-estima, tão abalada com as consequências de ações temerárias tomadas por alguns de seus dirigentes do passado. Entretanto, a Companhia permanece sob investigação do Ministério Público Federal e da Polícia Federal. Isto é fato público e notório.

O Sr. pode não ser filiado a partido político, mas ninguém ignora que a sua indicação por um grupo local foi apadrinhada pelo deputado federal Ciro Gomes (PSB). Tanto que a CDP ficou acéfala um tempão, prejudicando em muito o seu desempenho, em função da verdadeira guerra política pela sua diretoria.

O Sr., como homem educado, e até por questão ética, naturalmente minimiza o clima hostil que sempre houve, sim, na sua diretoria, e do qual até as nuvens que cobrem a área portuária sabem. O Sr. foi, sim, ao ministro, em busca de apoio para as decisões que achou por bem tomar. E, em meio a uma violenta discussão, mesmo não tendo competência para isso – mas diante do repto que lhe foi lançado ao rosto por ela, reagiu e exonerou a diretora de Gestão Portuária -, o que não chegou a ser oficializado, é lógico.

Tais “discordâncias“, como o Sr. eufemisticamente diz, jamais foram resolvidas. Prova disso é que a diretora Socorro Pirâmides, que era sua sucessora eventual, foi lançada para escanteio antes da sua saída, o que acirrou ainda mais os ânimos, chegando ao ponto de, desde a semana passada, os dois diretores estarem em Brasília lutando por cargos, enquanto a empresa está sem eira nem beira, visto que os dois nem se preocuparam em nomear substitutos interinos para dar seguimento a importantes trabalhos desenvolvidos nos portos do Pará – o que acarretará prejuízos ao Erário, e pelos quais deverão ser responsabilizados pessoalmente.

Como se vê, a missão da CDP, seu quadro funcional e suas obrigações para com o Estado do Pará não são levadas a sério e não têm a mínima importância para os que deveriam pilotá-la. O que é lamentável e, espera-se, seja objeto de pronta ação do Minist
ério Público Federal e do Tribunal de Contas da União.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *