A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Campeões de processos no STF

O site Congresso em Foco publicou a relação dos parlamentares que respondem a inquérito ou ação penal no Supremo Tribunal Federal, com os respectivos crimes atribuídos e a data de autuação das investigações.

No Senado, os parenses:

Flexa Ribeiro (PSDB-PA) responde ao Inquérito 2939 (08/04/2010), por crimes eleitorais, e Inquérito 2266 (30/09/2005, por formação de quadrilha ou bando/crimes da Lei de Licitações

Mário Couto (PSDB-PA) responde ao Inquérito 2539 (10/05/2007), por crimes eleitorais.

Nenhum parlamentar tem mais investigações contra si no STF do que o deputado federal Joaquim de Lira Maia (DEM-PA). São 14 processos: dez inquéritos (investigações preliminares) e quatro ações penais (processos que podem resultar na condenação). É acusado em sete procedimentos de crime de responsabilidade, infrações administrativas atreladas ao exercício da função pública. A condenação, nesses casos, pode resultar em perda do mandato.

Lira Maia também é suspeito de peculato (desvio de recursos públicos), crimes contra a Lei de Licitações, contra a organização do trabalho e praticados por funcionários públicos em geral, além de emprego irregular de verbas públicas. As denúncias dizem respeito ao período em que ele foi prefeito de Santarém.

O número de investigações chegou a ser maior. Em março, o Supremo arquivou o Inq 2858 contra Lira Maia por prescrição.

Em uma das ações a que responde (AP 524), Lira Maia é acusado pelo Ministério Público Federal de envolvimento em irregularidades em 24 processos licitatórios para a compra de merenda escolar em Santarém em 2000. Segundo a denúncia, o superfaturamento chegou a R$ 1,97 milhão em valores da época. Há outros 30 envolvidos, que respondem ao juiz de primeira instância. A acusação é de que participaram das concorrências públicas “empresas de fachada” que ofereceram produtos com preços acima do mercado, o que contrariaria a Lei das Licitações.

Ao aceitar a denúncia do Ministério Público Federal, o relator do processo, Ricardo Lewandowski, disse que o fato de ser prefeito do município à época das irregularidades deixava Lira Maia “muito próximo dos eventos tidos como delituosos, o que permite que se considere a possibilidade de neles estar envolvido”.

Na defesa ao STF, Lira Maia atribuiu a diferença nos preços das licitações às condições geográficas de Santarém, que elevariam o valor do frete. Alegou que a Secretaria Municipal de Educação tinha autonomia para gerir suas próprias atividades de forma descentralizada, sem interferência do prefeito, e era fiscalizada pelo Conselho de Alimentação Escolar.

“A atribuição de competência a outro órgão pode afastar a responsabilidade civil, mas não a criminal. Não se está fazendo juízo de antecipação, mas não se pode coartar [reprimir] a tentativa do Ministério Público de provar os fatos. Mesmo com a descentralização, não se pode desprezar a possibilidade de que tenha atuado como mentor ou anuído ao crime”, disse à época o ministro Lewandowski, ao explicar o recebimento da denúncia.

O deputado enviou mensagem ao Congresso em Foco dizendo que tudo não passa de perseguição política. Leia aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *