O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A Lei estadual nº 9.278/2021, que entrou em vigor em 30 de junho deste ano, instituindo a obrigação de que pessoas residentes em condomínios, conjuntos habitacionais e similares comuniquem à Polícia Civil, de forma imediata, qualquer tipo de agressão praticada…

A poluição atmosférica mata sete milhões de pessoas no mundo a cada ano. Os dados são da ONU, e apontam a urgência de medidas a fim de reduzir a emissão de poluentes gerados pelo transporte. É questão de saúde pública…

Campanha para obra de Dalcídio Jurandir

Está em curso uma campanha de financiamento coletivo para a reedição de “Ponte do Galo”, do escritor parauara Dalcídio Jurandir, lançado em 1971 e jamais reeditado. A iniciativa é da Editora Pará.grafo, de Bragança, que oferece a quem colaborar, além da alegria de contribuir para a cultura paraense e amazônica, um exemplar e outros itens (podendo ainda ter seu nome na edição histórica). 

Sétima obra do chamado Ciclo do Extremo-Norte (conjunto de dez livros de Dalcídio que contam a saga de Alfredo, um menino de Cachoeira do Arari, no Marajó, que sonha conhecer a cidade grande (Belém do Pará) e terminar seus estudos), “Ponte do Galo” se tornou raro nas livrarias e mesmo nos sebos, onde não se encontra mais a primeira edição. 

A obra de Dalcídio fala da gente marajoara, dando ênfase ao ser humano, seus medos, angústias, sentimentos e sobrevivência. É uma literatura que vai além do simples retrato da Amazônia. O autor revela outro mundo, na imensidão do arquipélago, daí estar para a sua região assim como Graciliano Ramos, Jorge Amado e Érico Veríssimo para as suas. 

Dalcídio Jurandir nasceu em Ponta de Pedras, no Marajó, em 1909, e faleceu em 1979. Escreveu onze romances. Recebeu o Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras, pelo conjunto da obra, em 1972, era cronista dos principais jornais paraenses e brasileiros de sua época, e uma edição de suas poesias recentemente foi organizada pelo professor e escritor Paulo Nunes, que inclusive assina o prefácio da nova edição de “Ponte do Galo”, ilustrada pela artista plástica e escritora paraense Paloma Franca Amorim e que tem na capa fotografia do premiado Eliseu Pereira, jovem fotógrafo marajoara que já expôs suas obras no Museu do Louvre. 

Para saber mais detalhes sobre o projeto e colaborar, basta acessar o site https://www.catarse.me/ponte_do_galo. O blog apoia essa bela iniciativa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *