0
Quem disse que quando o assunto é sério o protesto não pode ser cheio de alegria? Pois em Santarém, no V Fórum Social Pan-Amazônico, que acabou anteontem, o movimento feminista integrado por indígenas, quilombolas, ribeirinhas, afetadas por barragens e militantes de movimentos sociais entoava: “João, faz o teu feijão! Zeca, lava a tua cueca!  Ernesto, aprenda a fazer sexo! Zequinha, só com camisinha! Simone, bota a boca no trombone. Cristina, olha a tua vagina! Mulher, seja o que quiser!” Os grupos Roda de Carimbó e Espanta-Cão, de Alter do Chão, animaram o caldeirão cultural. Destaque para o tema abordado pela Comissão Diocesana de Justiça e Paz: Justiça legal x Justiça legítima: como se realiza a justiça social num povo desigual ?
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Aningal do Mangal

Anterior

Sangue no campo

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *