0
A foto do aningal, de autoria de Cristine Amarante, feita no Mangal das Garças, em Belém (PA), ganhou a capa da edição de dezembro da revista Acta Amazônica, publicação científica do INPA, que desde 1971 circula com artigos originais sobre temas relativos à Amazônia.
Cristine é  pesquisadora do Museu Goeldi e realizou o “Estudo químico e farmacológico de Montrichardia linifera (Araceae)”, planta pioneira na formação de ilhas aluviais dos rios amazônicos e no estreitamento de canais dos furos do arquipélago do Marajó, formando grandes populações coloniais que seespalham às margens dos rios e igarapés.
Além de seu uso como cicatrizante de cortes profundos, a seiva da aninga também é usada contra picadas de cobra e ferrada de arraia, entre outras aplicações etnomedicinais. Dentre essas aplicações, também é comum a utilização das folhas amarelas da aninga na forma de chá para o tratamento de doenças do fígado, além dos relatos de ribeirinhos de que suas folhas e o fruto fazem parte da dieta alimentar de peixes, tartarugas, peixes-boi, capivaras, bois e búfalos.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Economia & ecossistema

Anterior

Caldeirão cultural

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *