Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Os botânicos Fúvio Oliveira e Rafael Gomes, doutorandos do Programa de Pós-graduação em Botânica Tropical do Museu Paraense Emílio Goeldi e Universidade Federal Rural da Amazônia, concorreram com 86 jovens cientistas do mundo inteiro e estão entre os 23 contemplados…

Na próxima terça-feira, dia 16, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, deverá incluir na pauta do plenário a apreciação do Processo nº 7/2022, encaminhado pelo Tribunal de Contas do Estado, tratando da prestação de contas do Governo do Pará…

Liderados pelo presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), promotor de justiça Manoel Murrieta, que é paraense, promotores, procuradores, juristas e convidados do Brasil inteiro irão reafirmar o compromisso institucional do Ministério Público e o seu papel…

Caçada a quelônios

A Operação Bajara, do Ibama, apreendeu 13 tartarugas gigantes da Amazônia (Podocnemis Expansa) e um tracajá (Podocnemis Unifilis) caçados no rio Tapajós. Os animais, alguns mortos, pesavam de um e meio a três quilos e foram apanhados por espinhel (sistema de anzóis ligados a linhas sustentadas em longos barbantes de polímero) no entorno do Tabuleiro – local onde ocorre a desova e eclosão dos filhotes – de Monte Cristo, em Aveiro, o maior do País . O período agora é de reprodução, até o final de agosto, e a desova acontece em novembro. Os fiscais que patrulham os rios amazônicos recolheram 25 espinhéis, que chegavam a 300 metros, e foi assim que encontraram os quelônios.
Iguaria muito apreciada, as tartarugas gigantes do Amazônia são oferecidas como pratos sofisticados em restaurantes. Na região do tabuleiro, as tartarugas vivas são comercializadas por valores entre 30 e 50 reais, e as mortas são consumidas pelos próprios caçadores. O Ibama alerta que a caça de animais silvestres é considerada crime ambiental, passível de multa e, em alguns casos, prisão.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *