A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Benefícios aos Assurini

O juiz Carlos Henrique Borlido Haddad, de Marabá, deu prazo de 60 dias para que a Eletronorte implante medidas mitigadoras e ações compensatórias em favor da comunidade indígena Assurini do Trocará, impactada pela UHE-Tucuruí. Em caso de descumprimento da decisão, aplicará multa diária de R$ 10 mil e a cassação da licença de operação da usina. 

A decisão atende a pedido do procurador da República Tiago Modesto Rabelo. O processo nº 9149-40.2010.4.01.3901 se baseia em estudo de impactos socioambientais patrocinado pela própria Eletronorte – por recomendação do MPF, entre 2005 e 2006 – e acompanhado pela Funai, que identificou os danos que vinham sendo causados aos índios desde a implantação do empreendimento. 

A barragem provocou ocupação do entorno da Terra Indígena Trocará, com descontrole do acesso, conflitos com fazendeiros e assentamentos, além da substituição da língua nativa pelo português e introdução de DST, além do aumento do alcoolismo e tabagismo, casamento com não-índios, e alteração das águas do rio Tocantins, com redução de espécies da ictiofauna (peixes da região) e mudanças dos hábitos alimentares.

O juiz concorda com o MPF que há “perigo de dano irreparável, decorrente do processo de dizimação da cultura indígena. Trata-se de processo gradativo que, se não for interrompido, pode levar ao genocídio da comunidade indígena em questão”. 

A Eletronorte pode recorrer e o MPF não descarta a possibilidade de acordo judicial, desde que favorável aos interesses da comunidade indígena. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *