Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Belo Monte teme guetos

O Fórum Regional de Desenvolvimento Econômico e Socioambiental da Transamazônica e Xingu (Fort Xingu) já tem em mãos uma peça judicial pronta para acionar no Judiciário e impedir que o consórcio Norte Energia crie um enclave (vilas isoladas, sem integração com o comércio da cidade e a comunidade local) para os funcionários graduados que trabalham na obra da UHE-Belo Monte. A obrigação do consórcio, por contrato, é construir as residências em perímetro que não ultrapasse 3 Km do centro. A entidade quer a usina, mas não guetos e os desastres sociais já vistos em outros empreendimentos do tipo.
 

A inflação imobiliária desenfreada já contaminou o valor dos imóveis para aluguel e turbinou o preço do metro quadrado na região que, há um ano, custava R$ 20. Agora é R$ 100, R$ 150. Há áreas em que chega a R$ 200. Os hotéis estão entupidos. O valor do aluguel de um quitinete bem localizado, próximo ao centro da cidade, já chega a R$ 2,7 mil por mês.

E os empreendedores ainda nem sabem onde reassentar 20 mil pessoas que serão removidas dos locais onde vivem por causa das inundações que a represa do Xingu irá provocar.
 

Pelos cálculos do Fort Xingu, de janeiro até agora 5 mil pessoas já se mudaram para a região de Altamira, que tem 105 mil habitantes.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *