O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, convocou e empossou Torrinho Torres, primeiro suplente do Podemos, na vaga do deputado Igor Normando, que está licenciado para exercer o cargo de secretário de Estado de Articulação da Cidadania. O novo parlamentar…

Reconhecimento máximo da Associação Paulista de Críticos de Artes a obras de Literatura, Música popular, Arquitetura, Artes Visuais, Cinema, Dança, Rádio, Teatro, Teatro Infantojuvenil e Televisão, o Prêmio IPCA, anunciado na segunda-feira, 6/2, contemplou o livro de contos “Eu já…

A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Belém quer cidadania aos 400 anos

De acordo com o artigo 99 do Código Civil são bens públicos os de uso comum do povo, tais como rios, mares, estradas, ruas e praças.  Mas em Belém do Pará a orla vem sendo ocupada de maneira desordenada desde tempos imemoriais, e a especulação imobiliária ameaça barrar a vista, a ventilação e a esperança de elevação da qualidade de vida na cidade pré-quatrocentona. Representantes de entidades que integram o Movimento Orla Livre, tais como a Associação dos Amigos do Patrimônio de Belém(AAPBel), Observatório Social de Belém e Associação Cidade Velha-Cidade Viva reuniram com o promotor de Justiça do Meio Ambiente, Patrimônio Cultural e Urbanismo, Raimundo Moraes, e com o procurador da República Bruno Valente, a fim de tratar da apropriação indevida, por particulares, das ruas Félix Rocque, na Cidade Velha, e Manoel Evaristo, no bairro do Umarizal/Telegráfo, além da necessidade de correção da distorção do Plano Diretor de Belém quanto ao gabarito das construções no corredor da Av. Pedro Álvares Cabral e sua regulamentação, pela Prefeitura de Belém. Os representantes do MPE-PA e do MPF-PA ficaram de estudar a elaboração de uma Recomendação ao prefeito Zenaldo Coutinho.

Trata-se do exercício de um direito público não político – isto é, tem-se que o uso de bens públicos comuns representa não o exercício de um direito individual, mas de um direito de todos, em harmonia com os interesses do Estado, que, no fundo, é o do conjunto das pessoas que o integram. Por definição, aliás, usuário desses bens de uso comum é qualquer do povo que dele se utiliza sem exclusividade ao lado dos demais, pelo simples fato de serem humanos e do direito da liberdade de ir e vir, independentemente de autorização e permissão formal da autoridade pública, sujeitando-se apenas ao poder de polícia tendente a assegurar a regularidade de seu uso por todos. 

Com o saneamento da bacia da Estrada Nova, a macrodrenagem do Jurunas e bairros contíguos o prefeito pretende transformar a área banhada pelo rio Tocantins/Pará/Guamá em avenida marginal, eliminando a balbúrdia de palafitas e comércio com trânsito desvairado de enormes carretas que diariamente causam acidentes, com vítimas fatais ou mutilações. Mas a outra banda da cidade está à mercê da explosão imobiliária que, na contramão das iniciativas no mundo inteiro,  tapa  a orla privilegiando poucos em detrimento de toda a coletividade, o que no mínimo é ausência de bom senso. Quase todas as ruas que levam à orla de Belém foram obstruídas por particulares, negando ao público o acesso ao rio. Para agravar a situação, a SPU (Superintendência do Patrimônio da União) e a Codem (Companhia de Desenvolvimento e Administração da Área Metropolitana de Belém) não se entendem quanto à titulação das terras de Marinha.

Urge que o Plano Diretor Urbano delimite o gabarito de apenas quatro andares para proteger o bem-estar de quem vive em Belém, preservando a ventilação e proporcionando o lazer à população. É preciso que o prefeito Zenaldo Coutinho e os vereadores assumam o compromisso de não autorizar construções na orla, até que se tenha um plano para isso, e que ouçam a sociedade civil. Que Belém adira ao Projeto Orla, com o nome que queira dar, incorporado pelo Plano Diretor, e que chegue aos 400 anos preservada em seus contornos e com sua gente feliz. Não é muito. Não é difícil. Não é custoso. Basta vontade política. E a sociedade vai cobrar.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *