Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Batteka-Agouti

Alguém aí sabe o que quer dizer batteka? Significa “alegria” ou “gratidão” no idioma dos índios palikur, um povo de aproximadamente 2 mil habitantes que vive na fronteira entre o Brasil e a Guiana Francesa. E Agouti? Quer dizer, no dialeto crioulo da Guiana Francesa, cotia, um animal comum da região amazônica. Batteka Agouti é o nome do projeto em que alunos da 6ª série da Escola Estadual Aldebaro Klautau, em Belém, aprendem a falar francês comunicando-se, por e-mail, com alunos guianos-franceses de Caiena. Trata-se de um trabalho sobre meio ambiente, criado pela professora Rosistela Pereira de Oliveira, que em 2005 montou um projeto piloto em que as crianças aprendessem a falar francês. Professores de outras disciplinas também participam. A de Artes dá aulas sobre a cerâmica. O de Matemática prepara atividades envolvendo números, as quatro operações e as formas geométricas básicas. A proposta também está ligada a uma especialidade de Rosistela, a Informática Educativa, disciplina focada nas descobertas que os alunos fazem da tecnologia. Graduada em História Africana, na França, onde morou por 10 anos, voltou ao Brasil em 1991, deu aulas do idioma pela Aliança Francesa em Goiás, licenciou-se em Francês em Belém, prestou concurso para a Seduc e, por meio dela, formou-se em Informática Educativa na França. Rosistela desperta em seus alunos os diversos mundos e línguas que eles podem conhecer por meio da internet. “As mãozinhas dos meus alunos são de trabalhadores, que capinam. Aos poucos, eles começam a reconhecer e se apropriar do uso do mouse e do teclado”, conta Rosistela, uma paraense que merece reconhecimento.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *