Em sentença publicada hoje no Diário da Justiça do Pará, a juíza Blenda Nery Rigon Cardoso, titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Belém, em substituição ao juízo da 9ª Vara Criminal, absolveu sumariamente a jornalista Franssinete Florenzano, editora…

Em pleno Dia Internacional dos Museus, foi inaugurada a exposição Sentinela do Norte: A Independência do Brasil no Grão-Pará, realizada pelo Instituto Histórico e Geográfico do Pará em parceria com a Cátedra João Lúcio de Azevedo, o Instituto Camões e…

O Complexo Turístico do Ver-o-Rio foi o cenário da celebração do projeto de lei de autoria da vereadora Lívia Duarte, presidente municipal do Psol, que criou o Estatuto de Igualdade Racial de Belém. O prefeito Edmilson Rodrigues, vereadores e representações…

As pessoas andam com os nervos à flor da pele e à beira de um ataque de nervos. Muitas tragédias têm sido causadas pela falta de temperança, paciência e serenidade, principalmente no trânsito. Pior é quando o causador é agente…

Batteka-Agouti

Alguém aí sabe o que quer dizer batteka? Significa “alegria” ou “gratidão” no idioma dos índios palikur, um povo de aproximadamente 2 mil habitantes que vive na fronteira entre o Brasil e a Guiana Francesa. E Agouti? Quer dizer, no dialeto crioulo da Guiana Francesa, cotia, um animal comum da região amazônica. Batteka Agouti é o nome do projeto em que alunos da 6ª série da Escola Estadual Aldebaro Klautau, em Belém, aprendem a falar francês comunicando-se, por e-mail, com alunos guianos-franceses de Caiena. Trata-se de um trabalho sobre meio ambiente, criado pela professora Rosistela Pereira de Oliveira, que em 2005 montou um projeto piloto em que as crianças aprendessem a falar francês. Professores de outras disciplinas também participam. A de Artes dá aulas sobre a cerâmica. O de Matemática prepara atividades envolvendo números, as quatro operações e as formas geométricas básicas. A proposta também está ligada a uma especialidade de Rosistela, a Informática Educativa, disciplina focada nas descobertas que os alunos fazem da tecnologia. Graduada em História Africana, na França, onde morou por 10 anos, voltou ao Brasil em 1991, deu aulas do idioma pela Aliança Francesa em Goiás, licenciou-se em Francês em Belém, prestou concurso para a Seduc e, por meio dela, formou-se em Informática Educativa na França. Rosistela desperta em seus alunos os diversos mundos e línguas que eles podem conhecer por meio da internet. “As mãozinhas dos meus alunos são de trabalhadores, que capinam. Aos poucos, eles começam a reconhecer e se apropriar do uso do mouse e do teclado”, conta Rosistela, uma paraense que merece reconhecimento.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *