0
O sol brilhava e ardia e escorria o suor sobre nossas faces, misturado às lágrimas da despedida. E até aqueles cujo ofício era preparar a última morada de seu corpo, diziam, com naturalidade desconcertante: é o Juca. Marise ouvia e endossava: sim, é o Juca, nosso querido Juca. E todos nós, no íntimo, guardávamos mais uma prova do carisma do nosso amigo que se foi do nosso convívio. Ele era assim, capaz de se tornar íntimo das pessoas que jamais o tinham visto, perscrutar-lhes a alma, sondar as suas entranhas. E de tudo extrair um sumo rico, que ele nos presenteava com maestria em seu 5ª Emenda, leitura obrigatória e agradabilíssima.
Ele não conseguiu ir ao mais recente recital da minha Gabi, nem eu consegui encontrar um dia que conciliasse nossas agendas para degustar um filé cuja receita era de sua saudosa mãe Cecé Arruda e ele se oferecera para preparar na minha casa, temperado pela sua alegria e pelos gostosos papos, ao lado da Marise.
Gabi cantou, emocionada, aos pés do jazigo, Amazing Grace, um hino do século XVIII composto para celebrar a liberdade, a cidadania e a salvação da alma, ideais pelos quais Juvêncio Arruda sempre pugnou e que deixa como herança a todos nós.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Do Blog do Alencar

Anterior

Viaduto da Júlio César

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *