Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Os botânicos Fúvio Oliveira e Rafael Gomes, doutorandos do Programa de Pós-graduação em Botânica Tropical do Museu Paraense Emílio Goeldi e Universidade Federal Rural da Amazônia, concorreram com 86 jovens cientistas do mundo inteiro e estão entre os 23 contemplados…

Na próxima terça-feira, dia 16, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, deverá incluir na pauta do plenário a apreciação do Processo nº 7/2022, encaminhado pelo Tribunal de Contas do Estado, tratando da prestação de contas do Governo do Pará…

Liderados pelo presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), promotor de justiça Manoel Murrieta, que é paraense, promotores, procuradores, juristas e convidados do Brasil inteiro irão reafirmar o compromisso institucional do Ministério Público e o seu papel…

Ave, Juca!

O sol brilhava e ardia e escorria o suor sobre nossas faces, misturado às lágrimas da despedida. E até aqueles cujo ofício era preparar a última morada de seu corpo, diziam, com naturalidade desconcertante: é o Juca. Marise ouvia e endossava: sim, é o Juca, nosso querido Juca. E todos nós, no íntimo, guardávamos mais uma prova do carisma do nosso amigo que se foi do nosso convívio. Ele era assim, capaz de se tornar íntimo das pessoas que jamais o tinham visto, perscrutar-lhes a alma, sondar as suas entranhas. E de tudo extrair um sumo rico, que ele nos presenteava com maestria em seu 5ª Emenda, leitura obrigatória e agradabilíssima.
Ele não conseguiu ir ao mais recente recital da minha Gabi, nem eu consegui encontrar um dia que conciliasse nossas agendas para degustar um filé cuja receita era de sua saudosa mãe Cecé Arruda e ele se oferecera para preparar na minha casa, temperado pela sua alegria e pelos gostosos papos, ao lado da Marise.
Gabi cantou, emocionada, aos pés do jazigo, Amazing Grace, um hino do século XVIII composto para celebrar a liberdade, a cidadania e a salvação da alma, ideais pelos quais Juvêncio Arruda sempre pugnou e que deixa como herança a todos nós.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *