Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

As eclusas do Panamá e as de Tucuruí.

As obras para a ampliação do Canal do Panamá começaram em 2007, e envolvem a construção de eclusas maiores,  passando dos atuais 33,5 metros de largura e 12,8 metros de profundidade, que permitem a navegação de navios capazes de carregar até 4,4 mil TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés) para as novas, com 55 metros de largura e 18,3 metros de profundidade, que podem receber embarcações de até 12 mil TEU, pela via interoceânica.  Pois bem. O novo conjunto de eclusas já fez as primeiras provas de funcionamento na última terça-feira (23).

Já as eclusas de Tucuruí, no Pará, começaram a ser construídas em 1975, foram concluídas em 2010, depois de 35 anos de muita grita da sociedade, com o rio fechado, e até agora, em meados de 2015, ainda não funcionam, porque sequer foi lançada a licitação para retirar os obstáculos à navegação no rio Tocantins, como o pedral do Lourenço e o de Nazaré dos Patos. Enquanto isso, milhares de empregos deixam de ser criados, a renda não cresce e novos empreendimentos são abortados, porque a hidrovia Tocantins/Araguaia, um imenso corredor de integração de importância estratégica nacional, não é visto como tal por quem toma as decisões neste País. É de clamar aos céus. Aliás, quem manda mesmo no Brasil?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *