Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

As eclusas do Panamá e as de Tucuruí.

As obras para a ampliação do Canal do Panamá começaram em 2007, e envolvem a construção de eclusas maiores,  passando dos atuais 33,5 metros de largura e 12,8 metros de profundidade, que permitem a navegação de navios capazes de carregar até 4,4 mil TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés) para as novas, com 55 metros de largura e 18,3 metros de profundidade, que podem receber embarcações de até 12 mil TEU, pela via interoceânica.  Pois bem. O novo conjunto de eclusas já fez as primeiras provas de funcionamento na última terça-feira (23).

Já as eclusas de Tucuruí, no Pará, começaram a ser construídas em 1975, foram concluídas em 2010, depois de 35 anos de muita grita da sociedade, com o rio fechado, e até agora, em meados de 2015, ainda não funcionam, porque sequer foi lançada a licitação para retirar os obstáculos à navegação no rio Tocantins, como o pedral do Lourenço e o de Nazaré dos Patos. Enquanto isso, milhares de empregos deixam de ser criados, a renda não cresce e novos empreendimentos são abortados, porque a hidrovia Tocantins/Araguaia, um imenso corredor de integração de importância estratégica nacional, não é visto como tal por quem toma as decisões neste País. É de clamar aos céus. Aliás, quem manda mesmo no Brasil?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *