Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

As agruras de quem precisa do TFD

A professora Patrícia Viegas já foi ao Ministério Público e até fez discurso na tribuna livre da Câmara Municipal de Baião, em protesto pelo cerceamento de direitos de usuário do Programa de Tratamento Fora de Domicílio, mas não consegue resolver o problema. É que seu padrasto foi submetido a uma avaliação em janeiro deste ano, para comprovar a necessidade de tratamento fora de domicílio. Em junho, outra avaliação foi solicitada. Porém, o médico encarregado não assinou nem carimbou o laudo. Aí começou outra via crucis: na Secretaria Municipal de Saúde de Baião, uma servidora duvidou da veracidade do laudo e afirmou que qualquer pessoa poderia ter forjado o documento; ficou, então, de posse dele, a fim de verificar sua autenticidade junto ao médico. Só que, ao dar a resposta, informou que o médico havia sido contactado via WhatsApp e dissera que o paciente não precisava de tratamento em Belém. Sendo assim, não teve choro nem vela: o pagamento, de míseros de apenas R$ 148,50, foi bloqueado.

Com justa razão, Patrícia questiona o porquê de um laudo sem assinatura e carimbo do médico, porém escrito de próprio punho, não ter validade, enquanto uma mensagem via WhatsApp teria. E quer saber os motivos pelos quais o médico teria mudado de opinião pelo WhatsApp.   

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *