0
Vi ontem de manhã, em Belém, numa reluzente caminhonete cabine dupla, um enorme adesivo no vidro traseiro, com um estranho símbolo. Havia um círculo e, sobre ele, dois rifles cruzados. Acima, a frase “Filhos de Igarapé-Miri”.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Enterrar, não!

Anterior

Cuidado na estrada

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *