0

Na programação da 17ª Primavera dos Museus, na Capela do Museu do Estado do Pará, em Belém, foi aberta pela Secretaria de Estado de Cultura ontem (21) a mostra denominada “Aparição”, memória da Festa da Chiquita, tradição da comunidade LGBTQIAP+ no período do Círio de Nazaré, após a Trasladação. Aberta com performance do artista Eloi Iglesias, a exposição fica até 15 de outubro.

Este ano, a Primavera dos Museus traz o tema “Memórias e Democracia, pessoas LGBTQIAP+, indígenas e quilombolas”.

O detalhe interessante é que foi da Capela do MEP que saiu o primeiro Círio de Nazaré. A Chiquita é uma festa popular, de caráter profano, e durante muito tempo sofreu o preconceito dos conservadores. Acontece na noite do sábado que antecede o Círio de Nazaré, na Praça da República, após a romaria noturna. Depois que a procissão passa, começam os shows de transformistas, travestis, transexuais, drag queens e miss gay, todxs têm devoção por Nossa Senhora de Nazaré. O evento é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), e também é declarado em lei patrimônio imaterial do Estado do Pará.

“Aparição” integra a exposição ‘Fé na Diversidade’. E o performático Eloi Iglesias resume: “Eu falo pras pessoas: fé na diversidade é o afeto, o aconchego e o respeito que todos nós merecemos”.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Abrajet, do IHGP e do IHGTap, editora do portal Uruá-Tapera.

STF diz não a marco temporal para terras indígenas

Anterior

Novo Código Penal Militar já será alvo de questões no concurso da PM

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *