Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Anos de chumbo

O Centro de Instrução de Guerra na Selva, em Manaus, treinou pelo menos 103 oficiais estrangeiros em técnicas de tortura e combate a guerrilha entre 1966 e 1985, período da ditadura militar no Brasil, informa reportagem de Cláudio Dantas Sequeira publicada hoje na Folha de São Paulo. A reportagem teve acesso à relação dos militares e conseguiu reconstruir a história de alguns deles após a passagem pelo Brasil. Segundo a Folha, foi possível identificar assassinos condenados, cúmplices de genocídio e acusados de tortura entre os ex-alunos. Em outra reportagem, também publicada hoje na Folha, o comandante do Cigs, tenente-coronel Antonio Manoel Barros, reconhece que a escola foi usada para ensino de técnicas de tortura durante o regime militar.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *