Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Alunos do CEPC reivindicam melhorias

Alunos do Colégio Estadual Paes de Carvalho, tradicionalíssimo estabelecimento paraense, de renome nacional, protestaram ontem de manhã em frente à escadaria da Assembleia Legislativa, em razão da precariedade nas instalações da escola: goteiras, alagamentos e rede elétrica em pane. Para se ter uma ideia, os estudantes se queixaram de que estão há duas semanas tendo aulas na escuridão. Recebidos pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alepa, deputado Carlos Bordalo, eles pediram apoio para que a Casa intermedeie o diálogo com a Seduc, na busca por soluções. Um técnico foi imediatamente designado para elaborar um dossiê apontando os problemas enfrentados pela escola. Os parlamentares também vão agendar uma diligência à instituição para verificar os danos. 

Fundado pelo então presidente da província do Pará, Bernardo de Sousa Franco, no dia 28 de julho de 1841, com denominação de Liceu Paraense, o Colégio Paes de Carvalho é a instituição pública de ensino mais antiga em funcionamento no Estado. Formou os principais nomes da história do Pará. Pelas “cátedras” do CEPC passaram grandes figuras do cenário político, acadêmico, profissional e empresarial do Brasil, tais como ministros de Estado, senadores da República, governadores, deputados federais, deputados estaduais, prefeitos, reitores, professores, profissionais e empresários bem-sucedidos. 


O colégio também se destaca por suas atividades esportivas e culturais. Uma delas é a sua premiada Banda Sinfônica, famosa pelo seu repertório eclético e que é muito festejada no desfile da Semana da Pátria. O CEPC também mantém o tradicional uniforme, meninos e meninas usam meias e camisa brancas, sempre por dentro da calça e da saia, que obrigatoriamente deve ter no mínimo 37 centímetros de comprimento. 


Contudo, nos últimos anos o Paes de Carvalho está decadente. A ex-diretora Maria do Socorro Costa e Silva foi denunciada por ter aplicado um golpe em docentes e funcionários, no valor de R$ 200 mil. Após inquérito, a polícia chegou a requerer sua prisão preventiva, e ela está foragida.


De acordo com as investigações, 14 professores foram enganados. O estelionato começou a ser aplicado entre o final de 2014 e ao longo de 2015. Maria do Socorro usou vários argumentos para pedir dinheiro. Ela disse, no início, que precisava quitar uma dívida familiar, mas que iria devolver o dinheiro após vender casas que são herança dos pais. Os educadores e servidores, de boa fé, chegaram a fazer empréstimos bancários para dar o dinheiro a ela. Houve quem vendesse o próprio carro para ajudá-la. Tempos depois, ela declarou que havia diagnosticado câncer na garganta, e que precisava levantar dinheiro para pagar o tratamento no Rio de Janeiro e em São Paulo. Todos foram solidários. Um professor emprestou R$ 82 mil no banco para dar à ex-diretora. 


O golpe foi descoberto quando uma irmã de Maria do Socorro foi até o colégio procurá-la. Ao ser questionada sobre o estado de saúde da diretora, ela se espantou e garantiu que Maria nunca teve câncer. Os professores tiveram que se desfazer de vários bens pessoais para quitar os empréstimos. Entre as vítimas, figuram até faxineiras e funcionários da xerox da escola. 


Na época, a Secretaria de Estado de Educação, tão logo tomou conhecimento dos fatos, abriu procedimento administrativo disciplinar a fim de apurar as denúncias, bloqueou o pagamento da acusada, e acompanhou o inquérito instaurado pela Polícia Civil.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *