O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

Alô, Seduc!

 A imponência arquitetônica da escola Barão do Rio Branco contrasta com a negligência de suas instalações. Foto: Doralice Araújo
Fachada da biblioteca do Barão do Rio Branco. Foto: Doralice Araújo
Vejam a situação deprimente do Grupo Escolar Barão do Rio Branco, escola pública estadual situada no bairro de Nazaré, em Belém, que completará 100 anos em março 2012. A professora Doralice Araújo, alenquerense radicada em Curitiba, blogueira e ex-aluna, denunciou o abandono em seu blog Na Mira do Leitor, onde promove campanha em favor da restauração das escolas.
Tanto quanto preservar os belíssimos e centenários prédios públicos que abrigam algumas escolas, urge o cuidado com a educação, em todas as suas nuanças. Não se pode mais aceitar a roubalheira da merenda escolar, do transporte escolar, dos desvios na contratação de empresas de todo tipo de prestação de serviços e fornecimento de materiais e equipamentos, da nomeação de cabos eleitorais para dirigentes e coordenadores de atividades que precisam ser de técnicos compromissados com a educação.

As escolas ribeirinhas do Pará são uma tragédia à parte, onde os alunos e professores chegam remando ou com água nos joelhos, não há sequer sanitários, a vida parece ter estacionado em algum século perdido no passado.

Não existe argumento que justifique essa situação. Se só um setor puder ser priorizado, que seja a educação. Porque com ela logo de cara metade das doenças do mundo seriam evitadas, e a corrupção, pior mazela que assola o Brasil, seria reduzida a pó. Sem educação não há cidadania.

A quem interessa manter a educação fora do alcance da população?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *