O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Alô, Corregedorias!

No dia 07.10.2006, por volta de 05 horas, Roberto Couto Fortes de Souza, filho da desembargadora do TJE-PA, Vânia Fortes, avançou o sinal vermelho da Av. Braz de Aguiar com a Quintino Bocaiúva, ceifando numa colisão as vidas de Sebastião Benedito Sepeda Souza e José Maria da Silva Cravo, que vinham pela Quintino, em uma motocicleta.

A denúncia do Ministério Público, por duplo homicídio culposo, foi recebida pelo Juízo da 1ª Vara Penal da Comarca da Capital em 09 de maio de 2007, que designou o dia 25.06.2007, às 09 horas, para a audiência de qualificação e interrogatório do acusado que, três anos depois, continua livre, leve e solto, e ainda está longe ser concluída a instrução do processo 2006.2.055567-1, como vocês podem ler aí no link. Sequer encontram as testemunhas. Típico do enrolation processual quando se defende o indefensável.

Ah, mas quando a mãe de uma das vítimas deu entrevista na TV reclamando da impunidade, foi imediatamente impetrada – vejam só – Queixa Crime contra a pobre mãe e até a fala da repórter foi parar na perícia do IML. Como já disse, esta é a justiça no TJE-PA.

Detalhe: nos dois processos, o advogado do filho da magistrada é Osvaldo Serrão. Coincidentemente, o mesmo que sabe alongar ao máximo a punição dos réus e acelerar a jato a concessão de um Habeas Corpus.

A Ética e as normas processuais não permitem que a desembargadora Vânia Fortes atue no processo do ex-deputado Luiz Afonso Sefer, muito menos para garantir-lhe a impunidade.

Cadê a Corregedoria do TJE-PA? Onde está a Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça? Cadê a OAB-PA?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *