Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Os botânicos Fúvio Oliveira e Rafael Gomes, doutorandos do Programa de Pós-graduação em Botânica Tropical do Museu Paraense Emílio Goeldi e Universidade Federal Rural da Amazônia, concorreram com 86 jovens cientistas do mundo inteiro e estão entre os 23 contemplados…

Na próxima terça-feira, dia 16, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, deverá incluir na pauta do plenário a apreciação do Processo nº 7/2022, encaminhado pelo Tribunal de Contas do Estado, tratando da prestação de contas do Governo do Pará…

Liderados pelo presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), promotor de justiça Manoel Murrieta, que é paraense, promotores, procuradores, juristas e convidados do Brasil inteiro irão reafirmar o compromisso institucional do Ministério Público e o seu papel…

Ah, a saúde!

No domingo, escorreguei e caí em casa. Bati violentamente a cabeça e as costas e tive náuseas, mas preferi não ir na hora ao hospital. Ontem de manhã acordei aparentemente bem, mas assim que saí comecei a sentir fortes dores, tive que cancelar minha agenda e acabei na emergência da Unimed da Doca. Lá, foram me tirar do carro numa cadeira de rodas (!), e o médico traumatologista me mandou aguardar sentada(!) enquanto chegava a minha ficha, porque sem ela não poderia me atender. Acionada a recepção, informaram que a ficha já tinha sido mandada ao consultório – naturalmente em longo percurso, com direito a paradas pelos corredores, dada a demora -. Minha filha, agoniada, ponderava ao médico que ele podia, sim, me examinar e passar a medicação, dada a urgência e as minhas dores, e depois registrar na tal ficha que estava em lugar incerto e não sabido. Que nada. Só com o papel carimbado em mãos ele me atendeu e me levou para fazer medicação injetável.
Aí foi outro terror. As enfermeiras estavam que nem baratas tontas, cheias de papeletas e injeções, e eu de pé lá na janelinha do ambulatório, elas me pedindo para sentar e eu informando que não tinha onde, estava tudo lotado e, ademais, a dor aumentava ao sentar. Tive medo de apressar – vai que trocam a minha medicação? Assim, preferi acionar minha faceta estóica e aguentar firme. Até mesmo quando a enfermeira atravessou minha veia com uma agulha enorme (disse que não podia ser fina porque era preciso salinizar)e eu tive que mostrar, com santa paciência que nem sabia ter, que estava doendo muito e inchando o local – o líquido estava fora da veia. Ofereci o outro braço, pedi que a enfermeira se acalmasse, minha filha me consolava fazendo cafuné.
Para fazer os exames radiológicos, nova rodada. Vai daqui, vai dali, volto ao consultório. O médico anterior já fora, o outro estava atrasado, minha ficha(!) em cima da mesa no consultório vazio, minha filha pediu ao médico que estava ao lado para me atender, ele falou que não podia, era para esperar. Como não tinha mais pacientes, resolveu me receber, avaliou os raios X, receitou medicação para casa e me encaminhou à neurologista.
Começa tudo de novo. Ficha na recepção, aguarde na porta do consultório. Vá fazer a tomografia do cérebro. Retorne. Ufa! Felizmente nada quebrado, e o tico e o teco, meus neurônios, escaparam incólumes.
Estou contando a minha via crucis na Unimed porque a primeira coisa que me veio à cabeça foi o sofrimento dos que não têm plano de saúde e vão às filas do SUS. Que uma cabeça iluminada propôs, no Fórum Mundial de Saúde, ontem, ser declarado patrimônio da Humanidade.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *