O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, anunciou na tarde desta segunda-feira, 8, que os recursos para a revitalização e requalificação do complexo do Mercado São Brás, na ordem de R$50 milhões, já estão garantidos pela Caixa Econômica Federal. Durante visita…

A orla da cidade concentrou o maior público de todos os tempos. Cerca de dez mil pessoas esperaram, ansiosas, o espetáculo emocionante e grandioso que incluiu barcos grandes e balsas, mas também canoeiros, as tradicionais e belíssimas barquinhas, confeccionadas com…

Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

Agropalma multada por não contratar pessoa com deficiência

A 2ª Vara do Trabalho de Abaetetuba(PA) condenou a Agropalma S. A. a pagar indenização por dano moral coletivo no valor de R$2 milhões, por não cumprir a cota legal de contratação de pessoas com deficiência e reabilitados. O valor será revertido a instituições ou programas, públicos ou privados, que tenham objetivos filantrópicos, culturais, educacionais, científicos, de assistência social ou de desenvolvimento e melhoria das condições de trabalho. Em caso de reincidência, será cobrada multa de R$ 10 mil por empregado com deficiência ou beneficiário reabilitado que deixar de ser contratado.

De acordo com o artigo 93 da Lei n° 8.213/91, toda empresa com 100 ou mais empregados está obrigada a preencher de 2% a 5% dos seus cargos com beneficiários reabilitados ou pessoas com deficiência. 

Em junho de 2015, em ação civil pública, o Ministério Público do Trabalho requereu que a Agropalma fosse obrigada a cumprir o previsto em lei, além de reparar os danos causados à coletividade. O MPT já havia tentado sem sucesso firmar Termo de Ajustamento de Conduta com a empresa, que alegava dificuldade de contratação da mão de obra exigida, sob o argumento da ausência de pessoas com deficiência ou desinteresse no emprego. 

De acordo com o MPT, considerando uma média de 107 trabalhadores que deixaram de ser contratados, ao longo de 3 anos de descumprimento da cota legal, contados a partir do início do inquérito civil instaurado em 2012, a Agropalma economizou cerca de R$ 3.288.324,00 com o não cumprimento da legislação. 

Em sua defesa, a Agropalma afirmou que atualmente cumpre a lei, mas a Justiça entendeu que entre 2012 a 2015 só nos meses de novembro e dezembro do ano passado a empresa cumpriu a cota legal. Dessa forma, considerando o caráter pedagógico e punitivo, sobreveio a condenação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *